terça-feira, 19 de setembro de 2017

Voltei

Por Denise Fernandes




voltei a cantar

talvez seja influência

do sabiá

três horas da madrugada

me ensinando

a sonhar

namorar com a certeza

escrever com o coração

costurar o vento do destino

num silêncio que fala.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

techné

Por Ana Paula Perissé




                                       à beira de cada
                                       sílaba decomposta
                                       em esconderijo de versos¨
                                       ¨vasoscavernosos
                                       há assimilação de horizontes
                                       elípticos:
                                       quando as deixo assim
                                       em abandono,
                                       à meia luz,
                                       teu olho exagera
                                       no tom.


                                       Cheiros em frases
                                       incontidas
                                       assemelham-se
                                       aos deslimites .......
                                       de tua gula


                                       luxúria parassinpática
                                       ..........sintaxe gulosa


                                       e neste morrer de´vistas
                                       há Eros
                                       esmeraldas em tábuas
                                       salvas


                                       ou
                                       apenas
                                       1´sortilégio de devires
                                       castos.

domingo, 17 de setembro de 2017

Prato raso

Por Oswaldo Antônio Begiato




o uísque triste
em riste
persiste
em não se misturar
ao guaraná magro
ao beiço amargo
ao beijo largo
à tatuagem
à imagem
à paisagem
no fundo
do prato raso
profundo
profícuo


o resto
é a companhia
amiga
do amigo
meigo
leigo de mim
para sempre


é natal
na tal infância
de bicho papão
de pão de fel
de papai do céu
de papai noel
que esquece a boina
sobre a mesa
sobremesa
e a mesa sobra
pobre e sóbria


mas a mesa
está posta
exposta
sem resposta

sábado, 16 de setembro de 2017

Sopro de primavera

Por Meriam Lazaro




Na catedral os sinos dobram ao mal de amor,
Enquanto olhos se apequenam no horizonte.
Convém dizer adeus a tantas certezas...


Se o homem cala, ouve de Deus o clamor?!
Já as flores se antecedem à primavera.
Curva-se a Terra em respeitosa beleza.


O sol inunda o rio de dourado espanto.
Voa o pássaro, sem saber de sua leveza.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Entardecer em Petrolina

Por Mayanna Velame




A viagem seria longa. Horas me separavam de Manaus, mas isso não causava receio ou impaciência. Viajar sempre é preciso...


Sobrevoando o céu do Nordeste, a aeronave aterrissou em Petrolina (para abastecer e embarcar novos passageiros). Sentada na poltrona, junto à janela, eu me sentia como mais uma viajante daquele voo, cujo destino resumia-se em levar e trazer vidas.


Após alguns minutos, a tripulação anunciou a decolagem. A meu lado, um jovem apertava o cinto e respirava fundo, na tentativa de afugentar o medo. Sem o menor indício de engatar uma conversa, concentrei-me nos movimentos do avião.


O arrebol fervilhava no horizonte: o céu, em tons dourados, lembravam resquícios de ouro; salpicados entre as nuvens. Lá embaixo, estava Petrolina  com suas casas, prédios e plantações. A ponte Presidente Dutra era semelhante a uma régua, traçando essa linha reta nas águas do rio São Francisco. Os carros transitavam de um lado para outro, seguindo seus destinos...


Como um gigante a observar o que há sobre seus pés, Petrolina rendia-se a mim, incrustada naquele lugar que pertencia somente a ela. No meu olhar, a cidade desenhava sua forma. E num inibido momento, pensei em seu sotaque, seu clima, seus costumes e nas pessoas que chegavam e partiam.


A efemeridade do instante fora capaz de ativar minhas saudações. A 36.000 pés, meus olhos já não alcançavam o local que me dera apreço. No infinito azul, as nuvens ruborizadas. Estrelas brilhantes piscavam como sinalizadores do espaço.


Ébria no balançar das frequentes turbulências, o tempo me trouxe de volta a Manaus. Até hoje me recordo daquele voo. O entardecer em Petrolina me tem como lembrança. Por alguns momentos, fomos cúmplices da solidão (que nos envolveu) e do amor. Objeto precioso na bagagem de quem precisa ir.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

A nossa hora

Por Nana Yamada




Amor
Desde o dia que decidi
Te amar
Ser sua
Esperar por você
Não sei como explicar
Como vem sendo a minha vida
Na ansiedade de te encontrar
Conto os segundos
Pra poder me perder nos seus olhos
Tão subitamente
Sendo sua
Apenas sua
Somente pra você
Tudo de mim
O melhor de mim
Só pra você
Pois Deus te preparou pra mim
Nosso amor
Tão esperado
Sendo tão único
Eu e você
Nunca quis me atrasar
Para nosso reencontro de almas
Finalmente está chegando
A nossa hora…

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Decompor

Por Fabio Ramos




estrutura
de
um


veículo


em
cima


do cavalete


falta
peça


falta motor


falta
tudo


(...)


corpo
de
um


indivíduo


no
caixão


falta mover


falta
ser


e sobra tempo

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

insônia personal

Por Ana Paula Perissé




                                                 sou
                                                 tua insônia
                                                 inquieta


                                                 vaga chama
                                                 oscilante
                                                 entre divisas


                                                 tal como
                                                 pêndulo
                                                 e 1´pálpebra
                                                 a gorjear
                                                 imagens
                                                 serenadas
                                                 de virtú.


                                                 (entre artérias
                                                 que ascendem,
                                                 vem fúria ciliada
                                                 em lágrimas
                                                 amendoadas
                                                 de véu)


                                                 lúmen.