segunda-feira, 20 de novembro de 2017

recuos

Por Ana Paula Perissé




                                    o recuo
                                    de um silêncio
                                    à beira de ti.


                                    Cansam-me as palavras
                                    aquele verbo que se faz
                                    em demasia
                                    quando o vazio
                                    ronda.


                                    Prefiro ruídos
                                    de carros antigos
                                    sons enfurecidos
                                    de sôfrego sentido
                                    ( um quase-poético)
                                    nada mais.


                                    Desejo a lentidão
                                    compartilhada a dois
                                    1´somatório de ilhas
                                    fragmentadas numa tarde
                                    a sentir ondulações


                                    sou um arquipélago
                                    que não anseia
                                    por completude


                                                                        Movimentos.
                                    Deixemos a sós
                                    entregues à pulsação da vida
                                    crescida
                                    grande.


                                    ( vivo de cada vez
                                    o pedaço de céu
                                    que arremesso para mim)

domingo, 19 de novembro de 2017

sábado, 18 de novembro de 2017

Instante

Por Meriam Lazaro




Num raro momento
em que o meu pensamento
murmurante cala
ouço a voz do vento
que atravessa o tempo
e invade a janela aberta da sala.
 Trouxe um segredo!
Cochicha à parede.
Ouve o retrato,
que não envelhece.
Caricia na face do amor de um dia,
que nunca se esquece,
somente se espalha...
Revoa na sala
e, assim como veio,
a um outro tempo de novo dispara.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Português amoroso LVIII

Por Mayanna Velame




Um dia, nas veredas gramaticais,
o N e o H se apaixonaram.
Tornaram-se um só som.
Estão sempre na mesma sílaba.
Nunca se separam
porque, entre eles, há...
CA.RI.NHO

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Saudade que eu vivo

Por Nana Yamada




Da saudade eu vivo
Vivo lembrando
Lembrando do seu rosto
Rosto que ficou na minha mente
Mente confusa que mente
Mente dizendo seu nome
Nome que não sai da minha cabeça
Cabeça que anda a mil por hora
Hora e horas que já não fazem sentido
Sentido que eu perdi
Perdi ao te encontrar
Encontrar você no meu sonho
Sonho que já não faz parte
Parte daquilo que eu dizia que era tudo
Tudo acabou num piscar de olhos
Olhos que não querem enxergar
Enxergar você
Você que levou o meu sorriso
Sorriso que eu já não tenho comigo
Comigo ficou essa saudade
Saudade que eu vivo...

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Uma draga

Por Fabio Ramos




fez
um prato


que
mais


parece montanha:


enquanto a
faca


SEGUE


nos
cortes


o garfo leva


até
a boca


(...)


É REAL:


sua
fome
de pedreiro


estarrece qualquer um


(...)


e ainda
isso:


ao avistar


cabelo
na
comida


ele
gargalha


(e todos notam)


uma
casquinha
de
feijão


em seu dente

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

memória

Por Ana Paula Perissé




                                     deixa ficar
                                     restos
                                     de uma vida súbita


                                     deixa atrás
                                     de vidas
                                     o desejo
                                     que não se fez
                                     ou os sonhos
                                     que morreram
                                     quando a noite
                                     cerrou sua
                                     fronte oculta
                                     à soleira da porta
                                     de madeira escura
                                     que envelhece
                                     sem que a vejas.


                                     cerre-se.


                                     pois parte de ti
                                     que se
                                     desligou
                                     do impulso
                                     jamais tão latente____________
                                     ou ainda
                                     da vida
                                     que se
                                     desvaneceu
                                     em pétalas
                                     amarelas


                                     adubo senil.

domingo, 12 de novembro de 2017

Serenidade

Por Oswaldo Antônio Begiato




As tormentas, que em alto-mar
Deixam meu barco à deriva,
Me fazem aumentar, a duras penas,
O alcance de minha vista
E a nitidez de meus horizontes;
A paciência de meus tímpanos
E a escassez de minhas palavras;
A delicadeza de minhas mãos
E a vastidão de meus gestos;
O cuidado com meus passos
E a anchura de meus caminhos;
As loucuras de meu coração
E a serenidade de meu juízo.


Sobretudo aumento nesse mar,
Nas estreitezas de meu navegar,
A mansidão de minha alma
E a percepção de mim mesmo.