terça-feira, 25 de abril de 2017

Invento

Por Denise Fernandes




Quanto mais invento

mais desvendo os mistérios do meu ser.

essa dentadura

essa solidão

o sangue quente dentro do seu caminho,

até espinhos,

reinventados.

observo a matéria profunda e ela se move.

a avenida comprida,

o porquê da história;

a morbidez, amor,

pode ser um rápido aviso

(esse momento foi muito árduo

para ficar em branco);

o mistério era essa sufocante reedição de mim.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

à sombra das palavras

Por Ana Paula Perissé




                                          não há como
                                          ser de outra forma
                                          se as palavras aparecem
                                          descendentes
                                          para um escriba
                                          que é puro veículo


                                          viagem sem pausa sôfrega
                                          como se houvesse
                                          pena
                                          para o acaso
                                          de uma fuga
                                          perda de palavras
                                          incontáveis e apressadas
                                          sem sentido
                                          em hora
                                          de sua enunciação
                                          ( profana)


                                          Corrente
                                          tormenta de sensações
                                          aceitas
                                          em sua fugaz tragicidade
                                          indizíveis ao contato
                                          pleno ao senti-la


                                          ver o fluxo
                                          sentir o temor
                                          à clareira enluarada


                                          elos de nós
                                          em desenlace
                                          atados
                                          no pulso de vós

domingo, 23 de abril de 2017

sábado, 22 de abril de 2017

Mania de ler: livro abandonado

Por Meriam Lazaro




Quando a leitura não é do seu agrado, você costuma abandonar o livro pela metade? Para quem considera que o livro seja mais que um simples objeto, a interrupção da leitura nem sempre é uma possibilidade. Algumas vezes, a persistência põe o leitor frente a um parágrafo salvador ou a tão surpreendente final que lhe desperta imediato desejo de releitura. Por mais que resulte em tempo perdido, quem persiste terá formado opinião própria a respeito e poderá dar outra chance ao livro ou ao autor. O contrário também ocorre, quando, tendo louvado uma leitura, na releitura o leitor se pergunta o que viu de tão interessante naquele livro. No entanto, por mais que a alma não seja pequena, há livros que não valem a insistência.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Português amoroso XLIX

Por Mayanna Velame




Posso não ser um termo
essencial em tua oração.
Então, ao menos...
Deixe-me ser um termo integrante.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Sonho antigo

Por Fabio Ramos




mais uma vez
no sebo


a
sujar
os dedos


(...)


quantas vezes


o dinheiro
do pão


virou
um
novo título?


(...)


as
ilustrações
nas
obras


servem
de
consolo


pois
AINDA HOJE


ele
não
sabe ler

terça-feira, 18 de abril de 2017

Pai

Por Denise Fernandes




Eu gosto do cheiro do meu pai. O professor de língua portuguesa me disse que eu não deveria começar as frases com "eu", porque é mais chique, mais erudito. Saia da norma popular se você quer ser escritora. Tem que ser mais discreta. Faz de conta que você não está vendo o que você está vendo, não escreva "eu" no começo das frases. Seja um sujeito oculto porque é mais chique, mais erudito. Saia do popular. Eu saí, sem saber o que estava fazendo. Saí porque sou influenciável, e achava que o professor tinha um grande conhecimento de tudo, principalmente sobre o escrever.

Eu gosto do cheiro do meu pai. Não é o Édipo: é seu perfume, sua pele, sua risada, seu jeito de andar. Eu gosto do meu pai pelo que ele é. Eu gosto do seu cheiro de pessoa doce. Gosto quando ele faz biquinho ao ficar zangado. Gosto da cor da sua pele, do nariz que se parece com o meu. O Freud tinha pai, será que ele gostava do pai dele? O meu pai é importante para mim porque o sobrenome dele é Silva e me ensinou a pescar, a plantar. Ele me ensinou a ser simples. Mesmo eu sendo tão complicada.

O meu pai anda doente e isso me deixa triste. As pessoas não deviam ficar doentes, nem deviam morrer. A vida deveria existir sempre, de uma forma diferente. Tudo que eu queria era não a imortalidade do espírito, mas a imortalidade do corpo. Que chato homenagens, que chato fazer um minuto de silêncio (seja por quem for). As pessoas deviam durar para sempre. Não seria chato nada. Porque ninguém sabe como seria. A morte é nossa dura companheira, e ela não faz parte do milagre da vida. Ela simplesmente mata a vida.

Ando sem paciência para a morte. Não que eu acredite na eternidade da morte. Sua essência passageira, tênue como um colibri, me assusta. Gostaria de poder assustá-la. Mas, pelo menos, perdi o medo de ser um sujeito aparente  sendo um sujeito oculto durante anos.

Se a morte não se oculta, porque eu tenho que ficar me escondendo? Redundante é a vida, repetitiva tantas vezes, que ignoramos o quanto é inédita. Estou correndo o risco de tudo. Meus amigos mais próximos sabem. No teatro da vida, levaram minha máscara. Máscara de vidas. Agora estou nua, diante da morte. Não, não exatamente nua. Estou vestida como um colibri.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

céu da boca

Por Ana Paula Perissé




                                   céu da boca
                                   portal de Janus
                                   um abismo
                                   na vertigem do encontrar-nos
                                   te lanço minhas bombas
                                   de saliva
                                   quando te olho
                                   ( e estremeço porque de tão perto)
                                   através
                                   de apenas
                                   nossas pupilas


                                   arcos de 1'pequeno triunfo
                                   efêmero
                                   aportados em nossas línguas
                                   que se fazem desvios
                                   pela passagem em vidas
                                   molhadas


                                   encontro di versosmundos
                                   entre fluidos
                                   recriados pela saliva
                                   ancestral
                                   dos portais de nossa pele
                                   num instante eternos
                                   que se volta para sempre
                                   UNO


                                   (deixe-me passar, eu te peço
                                   como sempre hei de pedir
                                   toque-me no céu
                                   da minha vida
                                   com tua língua
                                   enquanto nosso beijo
                                   permanecer dança )