quinta-feira, 22 de junho de 2017

Perdoe-me

Por Nana Yamada




Perdoe-me
Se eu deixar de te amar
Se eu te deixar nas lembranças
Se eu deixar de falar seu nome
Se eu parar de pensar nesse amor
Se eu esquecer do seu rosto
Se eu esquecer do seu cheiro


  Perdoe-me
Não posso mais viver de ilusões
Não posso mais alimentar essa dor
Não posso mais te querer
Não posso mais implorar que me ame
Não posso mais deixar de viver
Não posso mais sentir isso


  Perdoe-me
Nada disso eu quis
Nada disso eu planejei
Nada disso foi a minha vontade
Mas meu tempo chegou
Chegou a hora da tristeza ir embora
Chegou a hora de ser feliz


  Perdoe-me
Se todo esse tempo te amei
Se todo esse tempo fui fiel
Se todo esse tempo te quis
Se todo esse tempo acreditei
Se todo esse tempo não desisti
Se todo esse tempo foi você


  Perdoe-me
Por esse amor ter brotado
Por esse amor me entreguei
Por esse amor eu vivi
Por esse amor eu morri
Por esse amor eu lutei
Por esse amor eu peço perdão

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Fevereiro, 31

Por Fabio Ramos




quem
pede


a sobremesa


antes
de
provar


o prato principal?


(...)


louça
de
porcelana


é
um


MIMO


reservado aos
visitantes?


(...)


por que
abrir
champanhe


somente
no dia


de São Nunca?


(...)


algo
lhe
impede?


SIM e NÃO


dependendo de
quem responde


à
essa
pergunta

terça-feira, 20 de junho de 2017

Falta

Por Denise Fernandes




silêncio na montanha

pequenas flores catando o vento

​sua falta é ainda presença

rocha, terra calma

sem fim definido

segunda-feira, 19 de junho de 2017

ao homem blasé

Por Ana Paula Perissé




                                       Vem!
                                       Turvar-me de ardor
                                       em reticências
                                       prolongadas vozes silenciosas
                                       monossílabos pronunciados
                                       de pronto.


                                       (livre e nu
                                       de palavras
                                       minha solidão se inquieta)


                                       Vem!
                                       Dançar comigo
                                       no retilíneo acorde
                                       sôfrego,
                                       ao fundo...
                                       Respira! Arfa!
                                       Suspira!


                                       Vem!
                                       Dizer-me
                                       que te ardes calado
                                       ou quieto, pleno de mim
                                       um desejo de ir-se
                                       sem me ter
                                       querendo se fazer
                                       uma só carne
                                       tórrida
                                       desfigurados de nós.


                                       (Uno ao silêncio)


                                       Grite!
                                       como no movimento eloquente
                                       do teu espaço
                                       Subamos!
                                       paredes com tua elegância
                                       ardências ditas por teu olhar
                                       errante


                                       Venha!
                                       Morreremos imensamente
                                       a cada instante
                                       intensos
                                       sem palavras
                                       do nosso ritmo dito
                                       clamado
                                       em acordes surdos
                                       de tudo
                                       nosso
                                       guardado.

domingo, 18 de junho de 2017

sábado, 17 de junho de 2017

O segredo

Por Meriam Lazaro


Imagem: Vincent van Gogh


Sentia o cheiro de pinho e da grama orvalhada, ladeando o caminho de cascalho. Havia o casal de mãos dadas no jardim. Ele, chapéu cor de palha, pescoço e rosto combinando com a calça verde clara. Ela, bolsa na mão, vestido musgo fazendo par com o terno do poeta.


Ouviu um som, seguido de instantes de torpor. Seus pés afundavam no mangue enquanto suas mãos seguravam as raízes aéreas. Diminutos caranguejos fugiam em direção à margem, para a qual ela seguia. Era tudo visão e olfato. Até o odor que vinha dos dejetos, em meio às touças de bananeiras, trazia boa sensação. Não lhe chegara ainda o mundo de palavras para censurar os sentidos.


Novamente o som da campainha, não mais do interfone, e sim da porta do apartamento. Procurou ao lado da cama o controle remoto inventado especialmente para ela.


Num tempo diferente daquele do carrilhão da sala, enquanto a fisioterapeuta subia as escadas, sentira-se menina em meio ao sonho, caminhando para além do quadro na parede. Esse seria possivelmente o segredo, com que o cérebro lhe recontara a longa passagem de vida em poucos segundos – o mesmo que diziam às pessoas que tiveram experiência de quase morte.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

O paciente

Por Mayanna Velame




Abriu a porta do consultório e deitou-se no divã. Exibia um rosto cansado e abatido. Tentava, de alguma forma, encontrar forças para desabafar tudo aquilo que sentia. Coração pesado. Olhar malogrado. O silêncio era imponente entre o paciente e seu analista.


No tique-taque das horas, nenhuma palavra saía dos lábios daquele cidadão contrito. A verdade é que não havia nada a ser declarado. Suas mãos mostravam-se calejadas. Os ombros encolhidos revelavam a falta de autoestima. Diluído em suas corrupções, ele olhava para o analista como se pedisse ajuda. No entanto, nosso cidadão estava sem voz, sem força e sem ânimo.


Por outro lado, o analista (com seus óculos de lentes arredondas) o esquadrinhava; buscando demonstrar seriedade. Observações à parte, era nítido que aquele paciente atravessava uma crise interna grotesca. Seu psicológico percebia um abalo. Suas estruturas estavam completamente comprometidas. O analista sabia que aquela omissão simbolizava resquícios de ambição, ganância, egoísmo e mentira.


No entanto, o paciente precisava de ajuda. Queria, de algum modo, livrar-se de suas transgressões. Gostaria de ser íntegro e, ao menos, compactuar suas atitudes com a ética e a moral. Pensamentos, ideologias, erros e acertos. O paciente engolia a seco sua falta de palavras. Sôfrego, tentou enxugar as lágrimas. A decepção o dilacerava. Diante do futuro, sua esperança lhe parecia quase nula.


Alguns minutos depois, o paciente se levantou. Tétrico, afastou as cortinas da janela e passou a examinar o dia. Lá fora, chuviscos umedeciam o asfalto. Pessoas cruzavam a avenida e carros dobravam as esquinas. O paciente, então, pensou: "A vida com seus malfeitores, países entregues ao desgoverno". Exausto, retornou ao divã. Desejou tornar-se um sabiá para gorjear pelas palmeiras. Tinha certeza que, dentro de si, havia um céu estrelado, várzeas a florescer e bosques resplandecentes em vida.


Confuso, o paciente fitou as mãos do analista. Viu que elas eram calejadas como as suas. Ambos se entreolharam. Cada um reconhecia a dor impregnada em seus respectivos corações. Fatigado, o analista perguntou: "Qual é seu nome?". Envergonhado, o paciente respondeu: "Meu nome é Brasil, e o seu?". O analista disse: "Pode me chamar de povo". No resto da tarde, paciente e analista permaneceram dialogando a respeito da vida, dos fantasmas, das fraquezas dos homens e dos sonhos ainda possíveis.