segunda-feira, 14 de outubro de 2013

breve história do corpo e do gosto

Por Ana Paula Perissé
 
 
Imagem: Dalila Del Valle


                          mesmo idos há gosto em corpo
                          com poucas chances de vida a ser

                          (mas há 1´gosto sem gosto em corpo sem lua
                          corpos sem gosto de vinho, sem safra
                          indefinido por natureza no gosto da terra
                          sem vinhedo próprio, território para existir
                          desse gosto sem corpo sem gosto,
                          eu não quero)

                          somos próprios
                          em gosto puro em cada taça de corpo
                          derramado em pouco tempo escondido
                          de gosto em corpos sem territórios
                          illicita
                          quase GPSinsano

                          então há corpo com gosto
                          de fuga
                          gosto em equação vespertina
                          em mistura de2
                          vertidos em ser
                          devir de cado gosto em corpo
                          a se fazer novo
                          em corpo de outrora que é.

                          (abertura)

                          mas ainda, não há gosto sem corpo,
                          eu afirmo
                          tampouco corpo sem gosto
                          quando se perde sua história
                          de beijos de ambos
                          1`beijo no tempo
                          que goteja gostos em corpos com nomes
                          a ampuleta que nos deixa sem tempos
                          para sermos

                          existência´agora.
 

2 comentários :

  1. A existência de corpos em fuga...sempre. Só fica a ampulheta. Teu poema é sempre delicado e persistente.

    ResponderExcluir