quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Aporta-te

Por Daniella Caruso Gandra
 
 
 
 
Sou fragata no teu porto nada seguro.
Na marina desembarca-te, mas o vento me dispersa.
Vês a proa quando de ti se aproxima, mas o mar não é calmo,
Obrigando a ocupar-te em outra rota que não a minha.
Segues, então, viagem, noutra companhia.
E o meu tempo diante da tua navegação,
Pede que eu zarpe.
 

Talvez, nalguma ilha, afastados da correnteza,
Possamos trocar beijos e versos transbordantes de poesia,
E nos braços um do outro, façamos amor devagarinho.
Tomando a posição adequada, sem ser calculada, mas deveras sentida,
Comporemos uma nova história na enseada desta vida.
 

2 comentários :

  1. Olá
    Gosto muito do seu jeito de escrever.
    Só ainda não sei, onde encontrar seus textos.
    Livros publicados? Blog? Jornais?

    ResponderExcluir
  2. Zazá, também adoro o que você escreve, olha, eu vou estar postando todas as quintas aqui. Ainda não publiquei livro não, mas penso nisso... Agradeço seu carinho e seu comentário, como sempre especial. Um grande beijo da amiga, Dani.

    ResponderExcluir