quinta-feira, 28 de abril de 2016

Luz Interior

Por Daniella Caruso Gandra




Vou me reciclar para reutilizar-me
nas bases sólidas, sem o imaginário a me povoar.


Isto porque me apliquei um veredicto:
Descristalizar-me por completo,
num ensejo de diminuir
o ritmo...


Enverguei por fora,
e, agora, recolho-me por dentro.


Faz todo sentido...
Tal como uma legítima conversão
à minha alma.


Numa rogativa, genuinamente íntima,
tão minha, só minha...


Nego-me, por ora, qualquer expansão,
expressão mais excessiva,
pra manter a linha (ainda não rompida).


É a notoriedade cumprida,
longe de ser embuste, ou ramificação minha,
mas o rigor das raízes vividas.

2 comentários :

  1. O que a prendeu, o que a aprende, realmente não é uma prisão, ao contrário, como raízes, alimentam a sua vida a sua razão. Lindo tudo isso.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigada, Emmanuel, pela sua leitura (no duplo sentido).
    :-)

    ResponderExcluir