quarta-feira, 4 de maio de 2016

Bola de Pelo

Por Fabio Ramos
 

 
 
um
vulto
sob o muro
 
 
uma
cauda
em frenesi
 
 
quem dorme com
esse miado?
 
 
gato
não dispõe
de asas
(mas nem carece)
 
 
ele empesteia
quintais
 
 
no
vão
esgueira-se
 
 
nas
alturas
equilibra-se
 
 
usando
as
sete vidas
que lhe atribuem
 
 
e assim
como
veio
 
 
(desaparece)
 
 
a
fugir
dos arremessos
da
vizinhança
 

Um comentário :

  1. Lindo poema, Fábio! Gatos são fantásticos!

    ResponderExcluir