terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

pescoço nu

Por Ana Paula Perissé




                                            minha pele é destinada
                                            à cegueira
                                            não te sente
                                            mais o tato
                                            quente
                                            de teus tecidos
                                            não mais.


                                            meu corpo,
                                            destinado
                                            a não ser
                                            esvazia-se
                                            de teu sentido
                                            deslizante de poros
                                            suados
                                            nunca mais.


                                            minha alma é destino
                                            incerto
                                            sem o teu perder-se
                                            nas falésias escarpadas
                                            de meu sonho infindo.


                                            ( meu pescoço nu)

domingo, 26 de fevereiro de 2017

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Sua voz dentro de mim

Por Meriam Lazaro




No livro, a jornalista Emma Forrest relata sua luta pela manutenção da sanidade, o apoio da família e amigos, os relacionamentos amorosos conflituosos, a experiência psicanalítica com um profissional da psiquiatria, que recebe o nome de "Dr. R". Aqui e ali há depoimentos soltos, de outros pacientes do "Dr. R", por quem tinham grande admiração e respeito.


A autora passou por episódios extremos de depressão, com tentativas de suicídio; tendo também outras experiências relatadas. O depoimento corajoso sobre tema tão árduo tem por quebra o humor dolente de Emma, fazendo com que o leitor ria, mesmo sem querer, de episódios trágicos.


Há citação, no início e no fim do livro, de uma tela do pintor John Millais: "Ofélia". No óleo sobre tela, o pintor ilustra uma cena da peça "Hamlet", de Shakespeare.


Ótima leitura para quem se interessa pelo tema, seja por questões particulares, seja para entender um pouco sobre o que passam as pessoas com problemas psíquico-emocionais na luta por se manter à tona, sem imergir no sono eterno (a convite da doença).


Livro: Sua voz dentro de mim
Autora: Emma Forrest
Editora: Rocco

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Versos de Carnaval II

Por Mayanna Velame




Todo amor
É como carnaval
É só folia.


Nas avenidas
Vejo purpurinas,
Pierrôs e Colombinas.


E nós desfilamos de quê?
Estamos fantasiados por quê?
Vamos sambar até o amanhecer?


Todo amor
É como carnaval
É só folia.


Vestidos da nossa
Melancolia, saímos
Como passistas solitários.


Dormimos em confetes
E despertamos entre as cinzas...

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Não recuar

Por Fabio Ramos




com os pés
no
AGORA


evitas
o retrovisor


(...)


naquela
curva
há um muro de
rocha


(de escolha)


mas
também
de
renúncia


(...)


cabelos
ao
vento


e
poeira
a quem esnobou
tua
carona


(...)


em cada
giro
do
volante


nas manobras
que
executa


um tambor no peito

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

rastros e sinais

Por Ana Paula Perissé




                          (somos presente
                          reminiscente
                          de quantas histórias
                          pessoais e colectivas?)


                          Leituras nas dobras do mundo.


                          de tudo que me é escolhido
                          por obra de estranho destino
                          resta-me persistir em palavras
                          no escuro.


                          meus pertences,
                          que me são?
                          Tudo que tenho é continuar
                          decifrando... devorando
                          códigos, rastros
                          e sinais.


                          oh deus! já te leio tanto,
                          o quê, quem,
                          (e se te existes?)
                          para quê?


                          de que me resta, então,
                          descabida procura?
                          Não encontro mais letras
                          tampouco versos
                          que combinem
                          apenas,
                          um insano desejo de continuar.


                                           
                          E renasço a cada dia
                          morta-viva,
                          meus interlocutores
                          ao longo da vida,
                          não me privam
                          jamais
                          de sustento, cimento
                          e de chão construído


                          ( sedimentos guardados em argamassas de nós)


                          e continuo a existir
                          sem o saber
                          nas páginas que não li...


                          de quantas vidas e de histórias
                          me fizeram humana?

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Avental

Por Oswaldo Antônio Begiato




se do avental
em vez de trigo
avencas às pencas
caem das palhas
do espantalho
(uma espécie
de Isabel santa)
a poesia nasce
espontânea
e premonitória
porque a quem é dado
operar milagres
não suporta castigos


nem se pode imaginar
o quanto a alma
se mantém elevada e distante
de outras almas
quando o corpo
é deformado
é mutilado


e nem se pode imaginar
o quanto o corpo
se mantém receoso e distante
dos outros corpos
quando a alma
é perfurada
é vilipendiada


não pense, pois,
que ele derrama poesias
pensando em ti


tens o corpo perfeito
como uma avenca
sem palhas
sem castigos
e a alma pequena
como um avental
sem remendos
sem milagres


ele está óleo
tu estás água

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Sempre seu, Oscar

Por Meriam Lazaro




Ainda estou desconfortável pela invasão de privacidade. Sem brincadeira, fiquei pensando nos prós e nos contras da publicação de coisas tão íntimas sobre a vida de alguém, ainda que o autor tenha sido figura pública, falecido há mais de 100 anos. Além da análise de caráter de si e de outras pessoas, as correspondências retratam diversos acontecimentos envolvendo os últimos dez anos da vida de Oscar Wilde, parte passados na prisão, na Inglaterra, e num hotel na França. Prisão e injustiça andam de mãos dadas desde sempre. Um momento muito triste foi quando ele falou que não tinha livros para ler, pois já havia relido os poucos que haviam. Apesar de dizer que não era engajado socialmente, as correspondências para os jornais em defesa dos direitos dos presos mostram o contrário. Eu já havia lido do autor os "Contos completos" e o "Retrato de Dorian Gray". Gostei muito da leitura das cartas. Quanto à edição, achei que a letra miúda e as páginas brancas não são muito confortáveis.


Autor: Oscar Wilde
Livro: Sempre seu, Oscar
Editora: Iluminuras

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Continue Longe

Por Fabio Ramos




o joelho não
dobra
?


arrume UM cerrote


(...)


a
soberba
é
mais forte
?


VAI TOMAR NO CU


(...)


prosseguindo
com isso


terás o mesmo resultado


AGAIN AND
AGAIN

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Poema do Desespero de Hoje

Por Denise Fernandes




Hoje não tem macarrão

nem café pronto

no fogão

hoje a fé anda

num cavalo alado

pois sua chama

foi retirada por

falta de sorte

falta de morte

Hoje a minha alma

tem uma saudade

que não interessa

a ninguém

Hoje meu castigo é

o silêncio

de todos os

meus

sentimentos.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

inconsciência do fogo

Por Ana Paula Perissé


Inspirado no poema "Incônscio", de Oswaldo Antônio Begiato


                                         há um momento sem nome
                                         que atravessa-lhes


                                         Personas!


                                         e sem pensar
                                         participam de uma força
                                         original


                                         não mais veem sua origem
                                         e amam
                                         poetam
                                         devaneiam
                                         por motivo incorpóreo


                                         (inverso)


                                         uma certa visão
                                         que precede a experiência:
                                         se lê
                                         se ama
                                         e se escreve
                                         num alvoroço sem dono
                                         mas intenso em laços


                                         uma fricção que gera o fogo
                                         o gozo
                                         e a gratidão.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Minha namorada

Por Oswaldo Antônio Begiato


Imagem: Richard S. Johnson


Repleto de flores
O alpendre guarda a mulher.
– Ó, meu doce amor!

sábado, 11 de fevereiro de 2017

O alfabeto dos pássaros

Por Meriam Lazaro




A proposta do livro me fez pensar que iria aprender sobre a experiência da adoção de crianças. Trata da história de uma menina chinesa, adotada por pais espanhóis, que tenta entender suas origens. É uma menina revoltada, perguntadeira e "chatinha". Não consegui ter empatia por ela em nenhum momento. Tem uma irmãzinha chinesa, também adotada, que é um amorzinho. A "chatinha" quer porque quer voltar à barriga de origem e se magoa com tudo, tem pesadelos, não deixa ninguém dormir (nem em casa e nem na vizinhança). A história se arrasta por 285 páginas e muitos bocejos. Tem ilustrações e capa bonitas. Dá o que pensar sobre o tema, mas não é um livro que eu recomende como distopia. Nesse sentido, melhor (re)ler "Alice...".


Livro: O alfabeto do pássaros
Autora: Nuria Barrios
Editora: Cosac Naify

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Gigante de pedras

Por Mayanna Velame




Diante de ti,
Somos minúsculos.
Como grãos de terra,
Tufos de capim.


És imponente,
Soberana.
Protege os homens
E seus Inconfidentes.


És cândida,
Mas tu aninhas
Em teus braços,
Todos e Todas.


Gigante de pedras
que abraça as ruas
centenárias.


Abençoa a cidade de Tiradentes
Sempre imergida em fé.
Declamamos esses versos a ti,
Serra de São José!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

O que é bonito

Por Daniella Caruso Gandra




Distancia-se de qualquer arquétipo
o belo, o singular, por espelhar a si mesmo,
em simplicidade, a diferenciar-se.


Pode ser um olhar arrojado que tudo diz,
um gesto sincero de quem nada quer,
um pedido de efeito sem ter uma causa...


O bonito é tocante, traz certo requinte,
seja na postura, seja no ruído,
é sempre peça com ares de casa.


É o bonito.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Causa da alergia

Por Fabio Ramos





ninho
de marimbondo
na copa
da
árvore


(vez ou outra)


uma
rasante


(...)


sem
esquecer do
zumbido característico


QUE LEMBRA
esses
cabos
de transmissão
elétrica


(...)


só em
mencionar o fato


lhe
uma coceira

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

nua

Por Ana Paula Perissé




                                           deixaram-me nua
                                           com marcas
                                           de pairagens
                                           das pedras toscas
                                           em fuga


                                           (meu canto é declínio)


                                           é meu
                                           o quê me sobra
                                           de rastros e de poeira
                                           das pedras portuguesas
                                           esquartejadas
                                           por demolições de alma
                                           em arestas ínfimas
                                           íntimas
                                           mas não tantas


                                           esconderijos
                                           de medrosos amanheceres

domingo, 5 de fevereiro de 2017

sábado, 4 de fevereiro de 2017

O ano da leitura mágica

Por Meriam Lazaro




Biográfico. No livro, Nina relata como fez para enfrentar o luto após três anos da morte de sua irmã. Com o apoio do marido e dos filhos, dedicou-se a ler um livro por dia durante um ano e postar resenhas num site. Há citações de frases dos livros, "resentários" de poucos deles e, no final, a lista com títulos e autores. Ao efeito da leitura, a autora entremeia passagens de memórias e projeções suas, de seus familiares, amigos e antigos namorados. Escrita apaixonada de uma leitora, apresenta diversas questões desse mundo mágico e seus personagens tão palpáveis como as pessoas do cotidiano.


Destaco a questão da delicadeza que devemos ter ao comentar sobre um livro (que não gostamos) e que nos foi ofertado por alguém (que o adorou). A falta de delicadeza pode melindrar quem o ofertou, como quem ofereceu parte de sua alma e, assim, se vê pessoalmente ofendido por nossas palavras. Naturalmente, isso me fez pensar o quanto quem oferta o livro pode ser também generoso deixando em aberto a possibilidade de quem o receba não gostar ou gostar sem o mesmo entusiasmo.


Palavras de Nina:
"Somos aquilo que gostamos de ler e quando admitimos que adoramos um livro, admitimos que este livro representa verdadeiramente algum aspecto do nosso ser, seja o fato de sermos loucos por romance, ou por aventura, ou secretamente fascinados por crimes".


"Estou submersa, nadando com os escritores de todos os livros que estou lendo e sugando o oxigênio das palavras".


"O perdão é uma forma elevada de aceitação, um reconhecimento de que a vida não é justa".


Citação de Nina:
"Precisamos de livros que nos afetem como um desastre, que nos deixem profundamente tristes como se alguém tivesse morrido, alguém que amássemos mais do que a nós mesmos, como se nos perdêssemos de todos numa floresta, como um suicídio. Um livro tem que ser uma rachadura no oceano congelado que temos dentro de nós" (Franz Kafka, Carta para Oskar Pollak, 27 de janeiro de 1904).


Livro: O Ano da Leitura Mágica
Autora: Nina Sankovitch
Editora: Casa da Palavra / Leya

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Desnecessidades

Por Daniella Caruso Gandra




Não creio que viemos preparados para viver, fato. E ninguém, por melhor intenção que tenha, ensina-nos tal propósito, muito menos, pai, mãe, amigos, amantes, cônjuges, ou religiosos, embora eles se ocupem em apontar o certo e errado na vida alheia, ao invés de focar na própria e não descarrilhar os trilhos. 


Essa incapacidade deles decorre pela nossa própria natureza, que impede. Mas isso não é algo ruim, quando não reprimimos essa natureza. 


Podemos notar que, durante todo o tempo, tentam nos adestrar a um tipo de comportamento aceitável, aparentemente bonito, até a forma como pensamos é reprimida! E se concordarmos, afirmam que estamos no caminho certo, rumo à satisfação de nossas necessidades. O pior é que quase todo mundo assimila e aprende a lidar com todo esse equívoco. Mas será que temos as mesmas necessidades? 


Frequentemente, agimos para manter o nosso corpo vivo e sadio (e bem visto); para receber a aprovação dos outros; para planejar o futuro  que muitos nem o vivem ; para termos companhia; para nos sentir queridos e supostamente amados; para pertencer a um grupo; enfim, estamos sempre preocupados com o que existe fora de nós. 


Entretanto, a questão inquietante concentra-se em: tudo isso é necessário? Será que existe um cidadão-modelo por aí, com todas as necessidades satisfeitas? 


Hoje, por estarmos cada vez mais carentes de atenção, principalmente, pela tensão que nos provoca a tal busca de realização dessas necessidades, acabamos vulneráveis e suscetíveis às exigências do mundo, que continua idêntico ao batermos às botas. 


E o resultado é que nos tornamos fracos, estúpidos, teimosos e infelizes. 


E os “sabichões” lucram com isso, tanto emocional, quanto financeiramente, enriquecendo os cofres das marcas; atendendo em consultórios; mantendo as aparências para não desinflar o próprio ego; rodeando-se de bajuladores e sanguessugas... 


O que fica é a sensação de que não vivemos para ser quem somos, mas para sermos parecidos uns com os outros, levarmos praticamente a mesma vida. E assim, findaremos (uns mais morosos) no mesmo caminho...