sexta-feira, 31 de março de 2017

quarta-feira, 29 de março de 2017

Cacos

Por Fabio Ramos




dentre
os
copos


(na bandeja)


um
favorito


com anos de serviço


(...)


os demais
copos


(preteridos no benquerer)


atiram o dileto
ao chão


(...)


as
cartas
são dispostas


na
mesa


e
o ciúme
desponta como
gatilho

terça-feira, 28 de março de 2017

Meu

Por Denise Fernandes




não é meu cachorro

não eram minhas plantas

eu era só uma passagem

tomando atitudes

vestida de casa

de sapato e alma

eu era apenas um poema

sem que alguém tivesse me lido

segunda-feira, 27 de março de 2017

absínthico

Por Ana Paula Perissé




                                       Víscera!
                                       há o tempo que se esfacela
                                       quando a angústia
                                       de 1´linha tênue
                                       prenhe em significantes
                                       ocultos
                                       ressoa ao longe;
                                       retira-te o véu


                                       Há!
                                       e aquilo que existe
                                       além do mundo
                                       ronda-me
                                       certeiro tal como punhal afiado
                                       molhado em absintho


                                       Além!
                                       embriaguez amnésica
                                       de pálido sentir
                                       que de tão longe
                                       atormenta-me em mil personas
                                       infinitudes de rastros
                                       d´misterium
                                       que não me deixa
                                       em descanso


                                       (em qualquer ser
                                       ali está o invisível
                                       que age em segredo
                                       aberto
                                       no livro dos mundos)


                                       Aqui!

domingo, 26 de março de 2017

sábado, 25 de março de 2017

Coraline

Por Meriam Lazaro




Magia e suspensa na narrativa de Neil Gaiman. Quando outras leituras não avançam, saboreio um infanto-juvenil. Como um algodão-doce, um sorvete de morango. Sabe aquelas coisas que não saboreamos desde os 9 anos? No caso da leitura, até que sou reincidente. Tem a pegada inicial do nome Coraline sendo "corrigido" por todos para Caroline, coisa de que também padeço. Grande coisa, alguns dirão: trocar "e" por "i". É grande coisa, sim, embora eu atenda a todos os chamados. Fazer o quê?!


Coraline (até o Word corrige!) mudou-se para uma casa que tem na sala uma porta misteriosa, sem abertura para nenhum local, até que... É fácil deduzir que as coisas não são como parecem e logo Coraline também descobrirá. Uma aventura deliciosa. Para quem quer se aventurar num "terrorzinho" (eu diria: suspense), pode ser um bom começo. Quem já se aventurou por Alice no País das Maravilhas, lembrará de certo felino. Nesta história, outro felino, tão sábio quanto o de Alice, aparece de corpo inteiro para acompanhar nossa heroína em suas investigações.


Livro: Coraline
Autor: Neil Gaiman
Editora: Rocco

quinta-feira, 23 de março de 2017

Incorrupto

Por Alexandre Faria



Incansável eu subo a ladeira da vida
rumando sempre ao mesmo destino
olhando para o alto e buscando o topo
dia após dia, milhas à frente
enquanto subo, vejo a cada esquina ao meu lado
caminhos paralelos de solos macios
eu poderia adentrar por um deles
me permitir descanso e distrações
mas caminhos paralelos e até de declive
não me atraem em nada,
caminhar tranquilamente entre casas e vielas
pobres casas que se alternam sempre nas mesmas cores
é esse eterno retorno que não me cabe
eu quero o desconhecido! Quero conhecer
subir minha estrada de pedra é por si o maior dos prazeres,
o que eu quero brilha lá no alto, o que move cá dentro essa força
no calor do sol, no frescor da lua,
quão alto eu posso chegar?
Aprender a cada centímetro, sempre à frente do novo
não cruzo duas vezes com a mesma paisagem
por isso uso esses pincéis de arqueólogos frente aos olhos
como me impulsiona essa vontade de troçar
ao fim do caminho, enfim na hora de parar
me voltarei para trás e olharei os caminhos paralelos
pessoas transitando descansadas por eles
cumprimentando umas as outras
por esses pobres caminhos tão abaixo de mim

 

Palavras não perecíveis para ouvidos carentes. Biólogo por profissão.
Assina o blog Gambá Escreve. De Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo.
 

quarta-feira, 22 de março de 2017

Vai cair

Por Fabio Ramos




trincas
que
formam desenhos
na parede


por aqui
não


uma viga
sem rachadura


(...)


tudo
é
ladeado pelo
musgo


por
insetos


e
pela água
da
infiltração


(...)


se o lobo
dos
três porquinhos
vier


JÁ SABE, NÉ?

terça-feira, 21 de março de 2017

Nossa casa

Por Denise Fernandes




na nossa casa

não mora dinheiro

na nossa casa

não cabe o mundo inteiro

na nossa casa

cabe o amor do mundo

a sabedoria de uma menina

o orvalho que cai

toda manhã

a teia abençoa

segunda-feira, 20 de março de 2017

tremor

Por Ana Paula Perissé




                                    só eu temo
                                    (busco-te!)
                                    a ardência
                                    ou 1'intenção que beira a cegueira
                                    de timbres sem dor
                                    sem fé
                                    nem crença
                                    sob o véu que dispo
                                    em tempos de nada
                                    dizer


                                    só eu temo
                                    (quero-te!)
                                    o quê não sei
                                    nem em fala
                                    porque pulsa em mistério
                                    sem dó
                                    compaixão sem ninho
                                    só.


                                    só eu temo
                                    (desejo-te!)
                                    que há por demais
                                    um vestígio de palavras
                                    no esconderijo da linguagem
                                    presa
                                    ao sentir que me liberta
                                    em sonho
                                    enluarada de suor


                                    onde a sombra adormece
                                    com ardor
                                    enfermo.

domingo, 19 de março de 2017

Irrecobrável

Por Oswaldo Antônio Begiato




Em toda minha vida
tive um único instante
de lucidez.


Foi quando invadiram-me
e roubaram-me
a precisão.


Não consigo mais
colocar o pingo nos is.


Não consigo mais
soletrar as palavras.


Já não sou mais preciso.

sábado, 18 de março de 2017

Trabalhos de amor perdidos

Por Meriam Lazaro




O título do livro se deve a uma trapalhada amorosa entre o Rei de Navarra (Ferdinando, com seus três amigos) e a Princesa da França, com suas três amigas.


Comédia muito divertida, com início num pacto firmado por Ferdinando e seus amigos, onde se comprometem a permanecer durante três anos em celibato; alimentando-se poucos dias por semana, com restrição de sono e abstenção de bebidas alcoólicas – mas sempre com bom ânimo para melhor aproveitamento dos estudos.


Ocorre que, antes do pacto, havia um compromisso entre dois reinos, pelo qual a Princesa da França viria estabelecer uma aliança com Navarra (com possibilidades matrimoniais). Palavra de rei não volta atrás, ficando, assim, decidido que a Princesa e as amigas ficariam alojadas a uma distância regulamentar do castelo; para não comprometer o pacto.


Naturalmente, elas eram muito bonitas. Já que o pacto proíbe outro tipo de aproximação, os nobres enamorados decidem enviar suas declarações amorosas por cartas, com direito a poesias e louvores rasgados às beldades.


A Princesa fica sabendo do pacto, mas resolve se divertir – trocando os destinatários e remetentes das cartas. Por causa dessa confusão, nenhum namoro dá certo; ficando perdido todo o trabalho dos nobres moços.


Shakespeare aproveita para fazer críticas à vaidade intelectual e à bajulação que é feita à beleza e à inteligência. Leitura leve e deliciosa.


Livro: Trabalhos de amor perdidos
Autor: William Shakespeare
Editora: L&PM Pocket

quinta-feira, 16 de março de 2017

O banquete

Por Alexandre Faria


Floresta densa, mata fechada
Adentrei carregando o banquete
No chão, deixava um rastro
Passos arrastados marcavam a folhagem
Vermelho viscoso guiava ao local.
Cuidadosamente coloquei
Sobre o colo untado da terra
Uma oferenda de agradecimento.
Esperei tranquilo a chegada
Da fome à saciar-se
Toda a fauna cadavérica.
Pude ver o agir
Da força da vida sobre a morte.
Garantias vitais eu dispus
Recompensado sem almejar.
Oh vida, alimenta-se
Enquanto retribui-me
Com seu doce perfume.

 

Palavras não perecíveis para ouvidos carentes. Biólogo por profissão.
Assina o blog Gambá Escreve. De Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo.
 

quarta-feira, 15 de março de 2017

Distorção

Por Fabio Ramos




de
uma reta
se faz
um borrão


da
maneira
que conduz o pincel


está na
íris
do
observador?


NÃO
MESMO


(...)


de
um borrão
se atribui um sentido


que
glorifica
sua
ideologia


adianta forçar a vista?


DE
JEITO
NENHUM

terça-feira, 14 de março de 2017

Sem chão

Por Denise Fernandes




estou me sentindo sem chão

larguei minha casa e

sai correndo como um furacão

nunca fui nada

mas mesmo nada sendo

amor

a graça é a vida de viver

a cada dia

me sinto só como um balão

no ar voando sozinho

numa ilha de música

não, não toca Roberto Carlos

me sinto só

como um sorvete

que derrete

sem que ninguém

o acuda

segunda-feira, 13 de março de 2017

recuo

Por Ana Paula Perissé




                                  Silêncio
                                  em embriaguez de desejo
                                  intenso
                                  olhai o mundo
                                  com a inocência de quem ama
                                  e só.


                                  eternidade de quem mais são se sabe
                                  ( quê sou?)
                                  mergulhos em acordes
                                  arautos da veia aberta
                                  pulsante
                                  pouca


                                  poesia que se esvai
                                  desconhecida de portos
                                  enseadas nuas
                                  ( que és?)
                                  rubra
                                  agora lânguida
                                  vertigem do branco


                                  Atrevimentos de cadafalsos
                                  em cada esquina
                                  de ritmo
                                  sem cor
                                  pálidos
                                  adjetivados com dor


                                  ( sou-me a ausência
                                  de um rio que se desfez
                                  em quimeras de abismos)


                                  olhai o mundo
                                  com a inocência de que ama
                                  só.


                                  Peço-te.

domingo, 12 de março de 2017

sábado, 11 de março de 2017

Kyoto

Por Meriam Lazaro




"Neste mundo, nunca sabemos onde e quando encontraremos uma joia caída do céu".


A bela Kyoto do período pós-guerra, início da ocidentalização no Japão, ainda com artesãos de kimonos e muito da sua tradição. Escrita límpida, raros adjetivos, descreve a natureza, costumes, sentimentos, de modo a nos transportar no tempo e no espaço.


Leitura deliciosa. Um dos meus livros prediletos há muito. Quando o li a primeira vez tinha uma edição de capa dura, bordô com letras douradas, comprado em banca de revista, da Editora Abril. Muitas leituras. Muito esquecimento. Que a memória guarda apenas o que quer. Lembrava da beleza. Lembrava da menina Chieko, admiradora das flores, criadora de grilos em um vaso.


A lembrança dos grilos cantantes se deve a uma experiência similar. Criação de gafanhotos numa caixa de sapatos. A tampa era aberta para os insetos respirarem. Saltavam todos. Até que me encantei com um gafanhoto especial. Olhava sério, parecia rezar, falar comigo. O Louva-a-deus curou-me a mania de colecionar voos em caixa.


Livro: Kyoto
Autor: Yasunari Kawabata
Editora: Estação Liberdade

sexta-feira, 10 de março de 2017

1.6

Por Mayanna Velame




Nosso primeiro encontro foi em setembro de 2012. Quando tive a chance de vê-lo, não mais o esqueci. Ele era belo, robusto e possante. Meu desejo de tocá-lo se tornara evidente.


Aprendi muito com ele. Fomos para lugares longínquos, passeamos debaixo de chuvas e andamos entre as poças de lama. O Siena prata tinha um motor 1.6, força bruta para quem só havia dirigido carro 1.0. Direção macia, marcha boa para ser trocada. Carinhosamente, o veículo foi batizado de Pratinha, afinal, todo carro é eventualmente visto como membro da família.


Meu relacionamento com o Siena permeou 4 anos e alguns meses. Nosso caso foi de extrema amizade. Pratinha me acompanhou durante todo esse tempo. Levou-me ao trabalho, banco, supermercado, academia, aeroporto e, claro, eu o levei, dezenas de vezes, a oficinas.


Eu e Pratinha cruzamos semáforos, sofremos incidentes, multas e também recebemos os mais variados xingamentos dos nossos "gentis motoristas". Nos momentos de tristeza, debruçada sobre o volante, Pratinha foi testemunha única das dores que só tive coragem de compartilhar com ele. Quem disse que não há sentimentalismo entre uma mulher e um carro?


Manaus foi muito pequena para nós. Viadutos, alamedas, ruas e lombadas. As rodas beijando o asfalto... Nos passeios noturnos, seu painel (em tom alaranjado) fascinava. Metódica, meu pé direito número 35 se entregava ao acelerador. O mundo girava de acordo com a nossa velocidade.


A última vez que o dirigi, foi ao entardecer de um sábado. Liguei seus faróis para romper a escuridão da noite iminente. Percorri, sem qualquer tipo de pressa, algumas ruas. Decidi não ouvir música ou programa de rádio. Queria apenas me despedir; ouvindo seu motor, buzina e os estalos da suspensão já comprometida.


A garagem não ficará vazia. Outros carros surgirão, com novas histórias e aventuras. Porém, nesses dedos, ficarão as lembranças do toque no volante – daquele que foi e será, perpetuamente, meu Pratinha.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Desistiu o poeta, chorou a poesia

Por Alexandre Faria


Foi por uma estrada, sozinho.
Desaparecia em um plano bidimensional
Um retrato em minha frente, não cri.
Perspectiva apontava seu ponto de fuga
O horizonte, que arrastava a estrada dançante
Entre os vales teimava em conduzi-lo.
O que pode haver d’outro lado?
Bem ou mal, o que o levou para longe de mim?
Não atendeu meu chamar, desdenhou
Deu-me as costas e partiu.
Sua pena ficou na escrivaninha
Nasci ali, em cada verso seu
Agora morro no mesmo lugar
Sozinha, sem os dedos hábeis a me guiar
Oh, Pena estática
O que somos aqui eu e você?
Senão minha métrica se perder
Sua tinta secar
Nossa história morrer.

 

Palavras não perecíveis para ouvidos carentes. Biólogo por profissão.
Assina o blog Gambá Escreve. De Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo.
 

quarta-feira, 8 de março de 2017

Showtime

Por Fabio Ramos




atmosfera de
ovação


ao
subir
no palco:


figurino e cenário
são apenas


a
moldura
do
quadro


(...)


deu
um jeito
na
vergonha


durante sua estada
no camarim


fez o
que
viera fazer:


ENTRETER ENTRETER
ENTRETER