segunda-feira, 21 de maio de 2018

Por Ana Paula Perissé




                                               há o mundo
                                               sombrio
                                               cujo sol
                                               aparece
                                               às vezes


                                               e há o meu corpo
                                               e amor
                                               nocturnos
                                               que te fazem solar
                                               aqui fora
                                               em nosso segredo


                                               (se em ti
                                               arder desejo)


                                               secreta-me pois
                                               todo
                                               porque embebida
                                               de ti
                                               ou de vinho
                                               voltas a te ser,
                                               meu amante.

domingo, 20 de maio de 2018

Entes diferentes

Por Oswaldo Antônio Begiato


Imagem: Tilen Ti


Fico feliz por saber-te feliz.


Cada qual com sua beleza.
Alguns a trazem na testa,
outros nos orifícios externos,
outros nos inversos indomáveis...


Há os que a revelam
no senso de escolher veredas,
no modo de pronunciar novidades,
na firmeza ao transpor trincheiras...


E há raros entes, entre mim e ti,
que a produzem na alma,
e conseguem caminhar a dois palmos do chão.


Por isso quando abraço,
abraço longamente:
 Assim posso sentir o peso do corpo
de quem é belo na alma:
 Essências! Incensos!


Quem tem beleza na alma
tem o corpo leve:
 Beija-Flor! Levitação!


Esses conseguem nos deixar enternecidos.
Esses conseguem nos infundir contentamentos.


E se for ilusão de ótica?
 Não é bom viver de ilusões?

sábado, 19 de maio de 2018

Passarinho

Por Meriam Lazaro




Passa, passa passarinho...
Vê a árvore tombar.
O teu pranto miudinho
Outra muda irá regar.
Não te espantes passarinho
Se o verde desbotar...
É sinal de que sozinho
Logo mais irás cantar.
Mas não ouças passarinho
Que não há céu, nem há mar!
Tudo passa e este mundo
Logo, logo passará.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Super homem

Por Fabio Ramos




uma
vida


de fascínio


pelo
reflexo
no espelho


amando a si mesmo


para terminar
assim:


(bengala)


corrimão
e pernas bambas


(...)


o homem
que
bradava:


"DEUS


é
criação


de gente parva"


TAÍ:
fralda
geriátrica


sondas e marcapasso


(...)


dos
privilégios
dos


quase
mortos


rejeitou o que


julgou
ser
um


acinte:


a fila preferencial
na funerária

terça-feira, 15 de maio de 2018

Madame Wanessa

Por Denise Fernandes




Estava passando na rua e recebi um folheto: "Quer trazer ou encontrar a pessoa amada? Posso e trago o amor a seus pés, com garantia e rapidez! Faço e desfaço qualquer tipo de trabalho espiritual. União definitiva de casais. Negócios embaraçados. Doenças espirituais. Desarmonia familiar. Vícios, depressão, angústia. Amor rompido ou não correspondido. Afastar rivais. Filhos problemáticos. Problemas judiciais. Ou algo que te atinja e que não esteja mencionado. Sessões com Wanessa".

Meu caso é tão difícil, Wanessa. Acho que você não entenderia. Começa assim: eu mesma não me entendo. União definitiva? Qualquer coisa definitiva não me atrai. Amo o perene, a sutil diferença, o outono que não se repete, a variação dos latidos da minha cachorra, a palavra nova na boca antiga. Mudo de estação de rádio, em busca de outro programa musical.

A pessoa amada encontro com facilidade, mas tudo que não quero é ela a meus pés. Justo nos pés? Poderia pisar nela. Sou desastrada, não tenho jeito para a dança. E ainda gosto da pessoa amada erguida, no alto  se possível flutuando.

Negócios são sempre embaraçados, do meu ponto de vista. A matéria é viscosa, os contratos têm cláusulas perigosas, a lei anda de braços dados com o poder.

Para doenças, prefiro médicos mesmo (ainda que sejam difíceis). Todos os anos do estudo de medicina valem muito para mim. E não sei o que sejam "doenças espirituais". O espiritual não está em Tudo?

Um pouco de desarmonia familiar faz parte da vida. Na minha família, por incrível que pareça, existe mais harmonia, carinho e trocas do que tensão.

Já aprendi a conviver com vícios, depressão, angústia. Acho que a poluição me incomoda mais que essa angústia fina que não entendo. Nos dias deprimida, fico entregue ao meu colchão. Vícios são também prazeres. Se eu me livrar de todos os vícios, minha vida pode ficar amarga.

Amor rompido ou não correspondido considero algo bom na vida. Sem a ruptura, o que seria do novo despertar? Sem a não correspondência, que valor teria o encontro perfeito de almas e corpos?

Essa parte de afastar rivais, não entendi. Afasta pra onde? O mundo é pequeno, e parece uma kitnet. O ódio pode atingir até o planeta Marte.

Também sou mais problemática que meus filhos. Eles precisam ter um pouco de paciência comigo.

Com problemas judiciais, sempre pensei que fosse bom consultar um advogado. É mais caro que a consulta com madame Wanessa. Mas, provavelmente, é mais eficaz.

E essa parte do "algo que te atinja", me intriga muito. O que não me atinge? Tudo me atinge! Poros abertos, pele fina, sentimentos em alvoroço, cada dia um novo caos. Percebo que não sei.

Madame Wanessa, meu caso é muito complicado. Seu tratamento espiritual não pode lavar a minha alma.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

falésias vermelhas

Por Ana Paula Perissé




                                         são falésias vermelhas
                                         à beira de 1´jangada
                                         sem dor
                                         bronzeada
                                         de barro e sal
                                         maresia de tantos ventos


                                         são falésias vermelhas
                                         que fui procurar
                                         rubra por desejar
                                         mar
                                         que já bate
                                         em ciclos perdidos
                                         de mim


                                         são de falésias vermelhas
                                         o rosto que construo
                                         em sonhos
                                         cristalizados em ébano.


                                         ondas de sedimentos
                                         no escuro.