domingo, 8 de dezembro de 2019

Angústia

Por Oswaldo Antônio Begiato




(Para Niquinho, amigo de boteco)


Jaz aqui minh'alma desconsolada
Cujo corpo frágil partiu-se em muitos,
Cujo corpo partiu-se para sempre.
Jazo eu aqui, sem corpo e sem alma.


No contundente silêncio da morte
Jazem insepultos os pensamentos,
As flores semeadas pelo vento
E os vermes espertos comendo a carne.


No momento preciso foi-se a vida,
Carregando dentro dela os sonhos,
As esperanças bobas e as angústias.
Foi-se após um longo tempo de dor.


Sofrimento, deixai a morte em paz!

sábado, 7 de dezembro de 2019

Acalanto

Por Meriam Lazaro


Imagem: Dimitra Milan


Velo teu sono
de prata,
homem cheiroso
de mar...
Em meio sorriso,
já despido do dia,
no futuro
ou no passado,
estás a sonhar.
Barba
por fazer,
acomodas a cabeça
em meu colo.
Acalanto a paixão
que nos cerca,
enquanto te
entregas
ao simples gesto
de esquecer
nuvens e aço.
Mas acordo,
esfrego os olhos e vejo
que quem sonhava
era eu,
longe de ti,
em vertigem...
Mulher passarinho,
sem asas para voar.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Uvas passas

Por Mayanna Velame




Degustou um
cálice de
vinho,
apreciou
um pedaço de
panetone.
Mas
quando
se tratou de
uvas passas, essas,
ele passou...

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Te adoro

Por Nana Yamada




Te adoro
A cada instante
Isso me basta
Todos os dias
Ter motivos
Para virar a página
A cada anoitecer
E recomeçar
A cada amanhecer
Ao seu lado
Mais um dia…


Te adoro
Todas as vezes
Que sua preocupação
O transforma
Numa pessoa tão única
Que me faz
Perceber
Os mínimos detalhes
Que eu jamais
Tinha visto,
Experimentado,
Vivido…


Te adoro
Por ser o que
Não consigo explicar
Por não conseguir
Descrever o que sinto
Faz de mim
Uma criança à toa
A rir de
Cada detalhe
Que só nós vivemos
Pois você é
Autor e arquiteto
Do que vivo…

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Tagarela

Por Fabio Ramos




não
sabe


da missa


nem
a metade


(porém quer ensinar)


o padre a
rezar


(...)


não sabe do peso


daquela
cruz


(porém quer condenar)


sem
medir


a si mesmo


(...)


padre
você
não é


(padrinho também não)


e muito
menos
padrão


APESAR DA AMBIÇÃO

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Coração

Por Denise Fernandes




Coração mutilado

Na vida arruinado

Mas também lotado

De dores cansado

De amores amado



Coração lua

Girando em torno

Coração saudade

Tecendo

Outro coração

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

do ofício de escrever

Por Ana Paula Perissé




                                      eu
                                      escrevo
                                      por um pouco
                                      de paz


                                      encontrar
                                      meus
                                      fantasmas


                                      ( e desfazê-los em)


                                      sombras
                                      adoráveis


                                      tocar minha alma
                                      com o perfume
                                      que me vem
                                      do cheiro


                                      do abismo
                                      das folhas caídas


                                      do ser
                                      humanizado
                                      que ainda canta
                                      sua história singular.


                                      ( eu escrevo para nada dizer)


                                      apenas para
                                      sentir-me
                                      digna


                                      de algumas vidas
                                      ainda mais.

domingo, 1 de dezembro de 2019

Ilhéus

Por Oswaldo Antônio Begiato




Pescadores de maré baixa, pescadores de maré alta!
Tragam em suas redes preciosas
O fio negro da crina do cavalo Branco de Napoleão,
A ponta de dois gumes da estrela cadente,
A varinha de condão da fada sininho,
A moeda de ouro do pote sob a extremidade do arco-íris
Porque o pôr do sol se fará belo como Cleópatra
E me farei por ti, Ilhéus, apaixonado como um transeunte desassossegado.


Mario Quintana, o gaúcho, que a essa hora se esbalda de céu,
E pouco caso faz do tempo
Deixando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas,
Adoraria a Bahia.
 Na Bahia o tempo não tem a menor importância
Porque o céu chegou primeiro aqui, e aqui se rimou todo.