domingo, 23 de fevereiro de 2020

Cuidado!

Por Oswaldo Antônio Begiato




Não queira
a loucura de um poeta
entender.


Aquilo que loucura
parece ser é
lucidez,
e é loucura
aquilo que lucidez
parece ser.


Loucura das brabas.

sábado, 22 de fevereiro de 2020

Pianíssima

Por Meriam Lazaro




Suave flutua
A renda da noite.
Macia, deixa o peito.
Insana, dança Gardel...


Suave é a sombra na rua,
Gato preto no papel...
Do vento segue a voragem,
Gira mundo sempre ao léu.


Altaneira ela flutua,
Com seu sorriso de mel...
Diáfana e vaga nuvem,
A renda da noite é o seu véu.


Macia, a lágrima sua,
Alegre e urbana babel,
Deixa o peito e faz viagem...
Mar revolto, escarcéu.


Insana e perpétua, a lua...
Pianíssima no céu,
De São Jorge dança a imagem
E um tango de Gardel.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

O vazio

Por Nana Yamada




Um pouco de ti
Restou em mim
Mesmo sendo tão invisível
Me sinto tão cheia
Do vazio que vem de ti

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Camufla

Por Fabio Ramos




dentro


(em algum lugar)


deve
existir


um coração


que
bate


entre ossos e pele


(...)


você não
beija
com


a boca dela:


você
beija


é com a sua


e
ainda
quer decidir
quem
a


boca
DELA
deve
beijar


(...)


do
sonho


do imaginário


pode
até


(se queixar)


mas
por
trás


da
tua


obsessão


um
pecado


A CONFESSAR

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Olhos

Por Denise Fernandes




Fecho meus olhos

Quero te esquecer

Mesmo sabendo

a dor de perder



Além das palavras

Não há solidão

Apenas o sol fazendo

a cor do saber



Se eu pudesse perdoar

Entender sua raiva

Faria um remendo

a flor do renascer



Mas só posso

ver o passado

dentro dos meus olhos

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

núpcias barrocas

Por Ana Paula Perissé




                                    quero-te
                                    em sussurros étnicos
                                    quase poéticos
                                    (já o são)
                                    como brisa de alhures


                                    Outro em mim
                                    vendaval de agonia
                                    pensamentos sensoriais
                                    teorização do sensível
                                    sussurrante
                                    estética do gesto
                                    do hálito
                                    verdejante olhar


                                    uma distância
                                    da quase incompreensão linguística
                                    que deixa rastros
                                    fragmentos
                                    do muito-não-dito
                                    perceptível em poros
                                    ou deslizes sutis
                                    de vagas
                                    em alucinação nocturna


                                    Babel adorável
                                    pois significantes em fôrmas
                                    desejantes
                                    ousam vontade
                                    de um encontro de passagens


                                    cheiro e aromas
                                    de paragens à beira da vertigem
                                    da diferença
                                    suave e tênue
                                    de ardor.


                                    (o embalo do distante
                                    acalenta minhas dúvidas
                                    em colo de núpcias barrocas)

domingo, 16 de fevereiro de 2020

Paragem apenas

Por Oswaldo Antônio Begiato




Não faço parte
da paisagem,
faço parte
da passagem.


Sou penugem,
sou asas,
não tenho casa,
não tenho causa.


Ando por aí,
andarilhando pensamentos,
ladrilhando caminhos...


Não me permito falsidade.
Ser feliz não me é prioridade.


Quero a liberdade
que somente a verdade
e a tristeza
me concedem.