segunda-feira, 16 de setembro de 2019

devoradora de silêncios

Por Ana Paula Perissé




                                          devoradora de silêncios
                                          ou páginas em
                                          branco


                                          pulsantes na alvura
                                          do barulho recôndito
                                          de cada palavra
                                          que
                                          G
                                          R
                                          I
                                          T
                                          A
                                          desejante de nascimentos


                                          música pensada
                                          pinceladas no vazio
                                          cinema sem tela


                                          VIDAS ainda
                                          em pregnância


                                          ( meu amor se faz
                                          nesse espaço do vir-a-ser
                                          quando o tempo,
                                          em suave suspensão,
                                          traz-me teu
                                          silêncio
                                          decifrado em mim)


                                          modulações de almas,
                                          nossas

domingo, 15 de setembro de 2019

Amálgama

Por Oswaldo Antônio Begiato




A terra é líquida;
Líquido é o aço.
Teus olhos são líquidos;
Líquida é a tristeza.


A carne é sólida;
Sólido é o osso.
Teus braços são sólidos;
Sólida é saudade.


A rosa é líquida;
Líquido é o espinho.
Teus ouvidos são líquidos;
Líquida é a música.


A estrada é sólida;
Sólido é o destino.
Teus pés são sólidos;
Sólida é passagem.


A paixão é líquida;
Líquido é o sofrimento.
Teus lábios são líquidos;
Líquida é a eternidade.


A ferida é sólida;
Sólido é o sangue.
Teus nervos são sólidos;
Sólida é a esperança.


A vida é líquida;
Líquido é o tempo.
Teus poros são líquidos;
Líquida é a morte.


Líquida e certa!

sábado, 14 de setembro de 2019

A cerimônia do chá

Por Meriam Lazaro




Neste ensolarado dia,
num "café colonial",
troco pão por poesia,
esqueço até do jornal.


Tendo boa companhia:
amigos e recital.
A tarde ganha alegria,
penso até que é Natal.


Sirvo, em rito de magia,
um chá cerimonial.
Para trazer harmonia
e um amor especial.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Cidade

Por Mayanna Velame




Tuas ruas
impregnadas
de poeira.
Derreto asfaltos
com meu olhar.
Navego feliz entre
teus córregos de luz.

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Eu nunca

Por Nana Yamada




Eu nunca estive
tão sozinha
como quando
estive acompanhada.


Eu nunca estive tão acompanhada
como quando estive sozinha.

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Unidos pelo nome

Por Fabio Ramos




três
vezes
campeão


NA FÓRMULA 1?


só pode
ser


o Piquet


(...)


quem
criou


VESTIDO
DE
NOIVA?


o Rodrigues


(...)


cantor
GAGO


com um vozeirão?


só pode
ser


o Gonçalves


(...)


aquele
que


não
cresceu
MUITA COISA?


é o Ned


(...)


enquanto o Rubens
fica só no


OK
OK
OK

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Casa

Por Denise Fernandes




asa do meu ser

tecido que envolve

nossas almas

paredes de tijolos

porta que se abre

com alegria

janelas sabendo

um novo dia.

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

salga-te para ser

Por Ana Paula Perissé




                                      água de lágrimas
                                      eu não a sinto
                                      porque
                                      ela despenca


                                      não me possuo
                                      sinto que sou-me
                                      apenas
                                      alagada num mar salgado


                                      Vênus delirante
                                      ardei sem dono!


                                      choro por um instante
                                      de sonho
                                      desvario
                                      quem serei depois?


                                      (minh'alma me tem prisioneira
                                      do horizonte)