sábado, 19 de outubro de 2019

Ventre

Por Meriam Lazaro




Meu primeiro,
grande, terno, doce,
melancólico amor...
Mas para que tanto adjetivo
se mesmo sem rosto
tua ilusão
carrego comigo?
As tranças balançam
cordas, redes, berços.
Balanço para lá e para cá
pelos ponteiros diminutos.
Vulto sem nome,
invocação que vai e vem.
De tudo gesta o verbo amar.
Delírio de criação...
Palavra ao ventre.

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Inspiração Marina

Por Fabio Ramos




por
dentro


é Marina menina


por
fora


é Marina mulher


(...)


se tiver
que


escolher


com
que


Marina você fica?


(...)


vai sofrer
com
a


(indecisão porém)


não
pra
separar:


MARINA É TODAS


em
uma só


(...)


aos beijos com ela?


segurar a
ruiva


em
teus
braços?


não faz mal sonhar


(...)


mas
para


(viver no coração)


de
Marina


EM PRIMEIRO LUGAR


é preciso
que
ela
saiba


da tua existência

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Oxalá

Por Denise Fernandes




nessa primavera

o canto do sabiá

agradece a Oxalá

estamos no Deus dará

então com sorte

flores música amores

sonhos alma santo forte

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

cidade 2

Por Ana Paula Perissé




                                            em pleno entardecer
                                            cidade voltando à casa
                                            exausta
                                            estampidos
                                            repentinos
                                            a granel


                                            Furos em muros
                                            na saúde
                                            no saber
                                            VIVER?


                                            ( viv-end...
                                            em núpcias de claustro)


                                            implosão
                                            sem nostalgia
                                            Kundalini sem serpente
                                            desritualizada
                                            da corrente sanguínea
                                            da vida


                                            que se liquefaz
                                            em estranhas formas
                                            e forças desiguais.

domingo, 13 de outubro de 2019

Carícias

Por Oswaldo Antônio Begiato




Suas mãos acariciando o meu corpo
Na cama grávida de lençóis perfumados
Sacodem meu coração de um lado pra outro
Feito areia na peneira entre as mãos do pedreiro.


Arrepio meus pelos e meus polos suados
Na pele que moldo com o tesão de meu sexo
Mergulhado dentro de sua ternura escultural
Feito porco espinho frente ao perigo.


Fecho meus olhos com a força de meus desejos
Cego-me com uma cegueira repleta de paisagens
Onde minha alma percorre a sua com malícias
Feito uma viagem ao país utópico de seu corpo.


E assim corpo a corpo desnudados em permissões
Amo-te tanto a alma, como a carne, como o sangue,
No abismo suave do tempo que nos esquece
Feito eternidade que nos adota em seu segredo.

sábado, 12 de outubro de 2019

Angustura

Por Meriam Lazaro




Baniu-se a flor do jardim
Sob a sombra mais escura,
Seu êxodo doeu em mim.
Tristeza que se mistura...
No Egito encontrou, enfim,
José e sua linhagem pura.


Não deveria ser assim,
Pois com a arte que depura
Purifica o querubim
Seu perfume de angustura...
Laranjeira no jardim
Veio do mato e se amargura.