segunda-feira, 18 de novembro de 2019

portal

Por Ana Paula Perissé




                                  quero desaparecer na simplicidade
                                  num portal que me encerre
                                  na raiz das coisas
                                  como elas simplesmente são


                                  simples
                                  como o movimento da vida
                                  a respiração dos amantes
                                  o ritmo de ser
                                  o amor em cada pétala que cai


                                  simplicidade alquímica
                                  nas pálpebras
                                  que resguardam
                                  nosso olhar
                                  quase absoluto
                                  obscuro


                                  em segredos à plena luz

domingo, 17 de novembro de 2019

Recaída

Por Oswaldo Antônio Begiato




Hoje achei,
perdido na rua,
um brinco de pérola.


Pérola crua.


Na veia do brinco veio
a cor da pele da lua
e o perfume dela,
da dona do brinco.


Um perfume assim,
cheio de ciúme.


Um perfume feito
de ardume.


Extrato de ardume tratado
em laboratório.


Me deu
uma vontade insana
de me apaixonar
novamente.

sábado, 16 de novembro de 2019

Novo velho amar

Por Meriam Lazaro




Além da eternidade,
em qualquer poesia,
revisitado amor.


Com os búzios da verdade
soprada à maresia,
sabia a flauta de cor.


Nuvens de felicidade,
meu céu sem ventania.
Instante de ir e de ficar.


Corpo sem idade,
outra vez bom dia,
como a onda ao mar.


O sol nas tardes,
ternos pássaros eu via.
Pares a voar.


Reciprocidade.
Azul melodia
de um novo cantar.


Eletricidade
na vida que fazia
d'aurora o despontar.


Mas que efemeridade
que ao peito acudia...
Novo velho amar.

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Tango

Por Mayanna Velame




Apanhou uma fruta,
apreciou o gosto do conhecimento
e ofereceu ao ser amado.
Após a queda,
dançaram
um tango no Paraíso.

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Poetas

Por Nana Yamada




Aqui eu me sinto no Paraíso
Todas as palavras resumem o amor
Cada poesia me faz flutuar
De onde será que me conheces?
Como pode ser tão real?
Poetas
Sonhadores
Amantes
Por que só existem de longe?
Como poderia atravessar
Essa tela que ilumina meus olhos?
Que enche meu coração de amor?
Amor que desconheço mas sinto
Faculdade de amor
Há poesias no ar
E a poesia é vivida
E a poesia é valorizada
É lá que quero ficar
É pra lá que eu vou
Poetas, por onde andam?
Em nenhum canto se fala de amor
Por favor, traga o amor de volta
Para esse mundo tão carente
Tão perdido, tão abandonado…
Venha nos ensinar mais e mais
Cada dia mais e mais…

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Nem aí

Por Fabio Ramos




outro
sol


DE PARTIDA


outra
lua


EM TROCA


*imune às suas paixões:
se você grita


ou
se
você
EMUDECE


realmente independe


(...)


outro
céu


À NOITE


outra
luz
(AMANHÃ)


*ao largo da tua aflição:


se
você


CORRE AGORA


ou
se
você


MORRE AGORA


isso
não
importa


ao vento que sopra

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Carma

Por Denise Fernandes




carma suave

o fardo me conduz

seu eixo é amor

o destino me emociona

ainda sou livre

mesmo me desconhecendo



meu carma abre portas

traduz meu naufrágio

escreve fronteiras

sussurra respostas

feito um mar

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

saturno

Por Ana Paula Perissé




                                  quando
                                  eu não mais ver
                                  as estrelas
                                  claras no céu


                                  ( de ontem ou de sempre)


                                  tampouco
                                  sentir o aroma
                                  da Dama da Noite
                                  a embriagar viventes


                                  de pálidas tendências a tecer
                                  encantamentos


                                  é porque
                                  deixei de lado
                                  a melancolia ardente
                                  de meus lábios
                                  cerrados nos teus
                                  e a teus pés, Saturno!


                                  outra vez
                                  minhas células incensadas
                                  não compartilham
                                  a distância
                                  da ausência de nós.


                                  Mutações crescentes
                                  de desejos cindidos
                                  por vontade alheia de mim


                                  a dor só é minha
                                  sem o rubor da tua pele


                                  ( meu olhar estremecido de vida)