sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Português amoroso LXXVII

Por Mayanna Velame




Um dia, percorrendo o agreste baiano,
perguntei para Tieta:
 Quem foi teu grande amado, mulher?
Então, ela me respondeu:
 O Jorge, oxi!

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Minhas loucuras

Por Nana Yamada




Eu sou louca com razão.
Minhas loucuras me dão a certeza que procuro.
Minhas loucuras me ensinaram
O quanto é necessário fazer loucuras.
Tudo tem limite, menos as minhas loucuras... de amor.


Se o amor me domina, junto com a loucura, o que mais posso fazer?
Das minhas loucuras, só eu mesma para entender...

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Língua pendurada

Por Fabio Ramos




isso é um
puto


cachorrinho


RASGA
bundo


que espera a


moto
IR


para
começar a
latir


(...)


o quase dono


vem
dali


(e o chorinho)


torna-se
grito


(...)


até


fixar
a coleira


demanda esforço:


haja
pressa


e animação


(...)


vai
no colo


(ameaçando a todos)


e desce
na
esquina


(...)


o negão


caga
mole


no portão


da
velha


e ainda mija


pelos
muros


do quarteirão


(...)


em
casa


bebe água


no
tapete


sempre emborca


e ensaia
um


sorriso


(...)


é
THOR


sem o trovão


com
as
quatro


patas de cão

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Flor

Por Denise Fernandes




Linda flor do amor

ela tem a força da lua

e um sorriso que é luta

ela tem a esperança da chuva

e um abraço de criança

ela é minha filha e do sol

ela tem cabelos de vento

e quando fica triste

também fico.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

sem pouso

Por Ana Paula Perissé




                                          à beira d´uma varanda
                                          de chão em ruínas
                                          a vida passa
                                          com pressa
                                          e o quê deixa
                                          em seu rastro
                                          vem-me em volúpia
                                          imóvel


                                          já sem as lágrimas
                                          ainda em flor.


                                          (ainda
                                          porvires)


                                          e as janelas
                                          já sem pouso
                                          sorriem para lado nenhum.


                                          ( entre-mundos
                                          vivo
                                          sem uma saber da outra)

domingo, 16 de setembro de 2018

sábado, 15 de setembro de 2018

Nosso amor

Por Meriam Lazaro




Nosso amor de ontem
Eu arrumo em lembranças...
No olhar o fogo brejeiro
E o sorriso de criança.
O beijo de corpo inteiro,
Lugar que a paixão alcança.