segunda-feira, 15 de outubro de 2018

imperativo ..

Por Ana Paula Perissé




                                            vista-me de cheiros
                                            quando ainda houver
                                            luz


                                            ou dispa-me ofegante
                                            com torpor
                                            de fava tonka


                                            amiúde.


                                            pois delicioso amargo
                                            que se desmancha
                                            em líquido rarefeito
                                            é gozo.


                                            (turva-me
                                            nu´umbral
                                            de 1 ´sonho
                                            só.)

domingo, 14 de outubro de 2018

sábado, 13 de outubro de 2018

Últimas palavras

Por Meriam Lazaro




Que as últimas palavras
Sejam somente "até breve!"
Que o vento em tua face
Seja livre, sopre leve.
Que a estrada em que segues
Transmute os passos em sonho.
Que o jardim para quem fica
Seja florido e risonho.

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

No recanto

Por Nana Yamada




No recanto eu canto as minhas poesias
No recanto do meu coração guardei seu nome
Porque só no recantinho você pode me ler
Ler sobre os sentimentos que guardei pra você


No recanto eu arquivei e eternizei você
Nesse recanto que me encanta
Meu recanto é aqui
Aqui eu venho me lembrar de você...

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Modinhas

Por Fabio Ramos




GABRIEL


não
entrou


no embalo


do
tênis
sem meia


(...)


da
turma




de
chulé


usando croc:


nem
vão
saber


o que é rock


(...)


ÉRIKA
não


põe


na
orelha


um alargador


(...)


ou
fixa


argolas em


seu
nariz:


ela é cantora


e não
atriz

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Banheiros

Por Denise Fernandes




Foi graças a uma incontinência urinária que minha reflexão sobre banheiros se ampliou. Antes era possível selecionar banheiros, e até esperar chegar em casa para usar o meu. Mas esse modo de espera se foi, e comecei a ter que usar o primeiro banheiro disponível.

Banheiros são lugares de pura reflexão e solidão, que nos vinculam às nossas raízes. Na minha infância, para fugir das dificuldades na escola, me refugiava no banheiro. Ficava sentada ali, sem fazer nada. Esperava passar o recreio, protegida na privada.

Outro dia recorri ao banheiro de uma padaria. Ao chegar, o mesmo estava ocupado. Na porta do banheiro feminino, uma senhora me disse que não era possível utilizá-lo, pois quem havia entrado era um homem. Voltei com a informação, e me certifiquei: o banheiro feminino estava ocupado e o masculino, livre, fedia e nos causava náuseas. A senhora se revoltou. "Isso não pode! Não está certo entrar homem no banheiro de mulher!". Quando o coitado saiu, a exaltada senhora começou a protestar alto. Ele, vexado, olhava para baixo  e rapidamente se afastou. Confesso que entendi sua escolha. Quem gosta de um banheiro imundo?

Em minhas jornadas, descobri que os melhores banheiros estão nos museus da cidade. Tudo limpinho. Depois você dá uma volta e bebe um pouco de arte.

Banheiros são espelhos (mesmo não tendo um dentro). Na solidão do banheiro, descobrimos como estamos. São momentos de reflexão verdadeira. Mais conscientes do equilíbrio de nossas vidas, o olhar volta-se ao íntimo.

Quem não tem banheiro, deve sonhar ardentemente com isso. Todo cidadão merece um banheiro com papel higiênico (mesmo que seja compartilhado). Somos feitos de espaços.

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

O menino e o vento

Por Ana Paula Perissé




                                      e eu fico a ventar
                                      dunas
                                      e por-de-nós
                                      enquanto a restinga nos passa
                                      e o mangue separa-nos
                                      de nosso povo
                                      quase ao fim
                                      .


                                      quando tudo é movimento
                                      (paragens e lonjuras
                                      em terras de lua e marés
                                      a marcar-nos alma)


                                      nado sou
                                      mesmo a ventar
                                      .
                                      e me vem
                                      Valnir,
                                      menino pés descalços
                                      com seu sorriso de vila
                                      pobre mas cheio de mar
                                      a desvelar quem sou
                                      ou quem estará por vir.


                                      areias brincantes
                                      .
                                      tudo é movimento
                                      pó