segunda-feira, 20 de agosto de 2018

lucioles

Por Ana Paula Perissé




                                            há uma vida
                                            póstuma
                                            imemorial
                                            que nos ronda
                                            feito lampejos
                                            de vagalumes


                                            (o desejo nos ilumina
                                            em piccole lucioles)


                                            a vida lateja
                                            quando há epiderme
                                            de sentir


                                            pathos
                                            afectos
                                            tesão
                                            em tensão


                                            ( sublimo na veia
                                            o que desejo
                                            em sonhos diurnos...)

domingo, 19 de agosto de 2018

sábado, 18 de agosto de 2018

Sina

Por Meriam Lazaro




Gira o mundo e aqui eu fico
preso à parede em retrato.
Na face oculta me perco,
palhaço em riso nefasto.
Ó silenciosa agonia!
Qualquer curva, qualquer dia,
a amarga sina eu passo.

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Português amoroso LXXIII

Por Mayanna Velame




O condor sobrevoa
tuas estrofes...
É a palavra liberdade que retumba,
declamada, entre as correntes
do Navio Negreiro.

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Ponta negra

Por Nana Yamada




Ponta mais bela
Quantas lembranças
Quantos momentos
Quantas histórias
Quantas pessoas
Quantos mergulhos
Quantas despedidas
Quantos risos e choros...
Quantas coisas compartilhei
Sol que me aqueceu o ano inteiro
Nunca existiu um dia ruim
Vendo aquelas ondas
Vendo aquelas estrelas
Reggae e parcerias
Na companhia daquele copo gelado
Fumaças pelo ar
Old Five era o lugar
Encontro e reencontro
Dia e noite
Com ou sem vento
Caminhadas até a via costeira
A brisa mais perfeita
Sopro de Deus
Ah, como era fácil se perder
No meio da tranquilidade
Que hoje ficou tão distante...

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Os anticorpos

Por Fabio Ramos




(tampou o ralo)


e
deixou
a torneira pingar:


você
não


APRENDE


(...)


caindo
na


besteira


de
prover:


você não seca


(...)


teu
leite


como novalgina:


você
não
receita


(...)


e
chove


e assim goteja:


você
não


é vacina


mas
que tal
inocular agora?

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Invisibilidade

Por Denise Fernandes




Cinco horas da manhã. O médico me procurou e disse que o estado do meu pai era grave. Comecei a chorar no corredor do hospital. Cinco e meia da manhã, o choro me derrubando, senti uma vontade absurda de tomar café. Estava de pijama. Conversei com a enfermeira. Ela me disse que tudo bem eu ir até a padaria de pijama. Não era um pijama bonito, era um que parece ter voltado de uma guerra.

A padaria estava cheia. Entrei chorando, vestindo o meu pijama, e ninguém pareceu notar. Nenhum olhar, nenhuma palavra. Se eu soubesse, já teria saído de pijama antes.

Invisível, como meu pai agora, corroída de saudades. Na vida, ficou uma solidão maior sem a presença de meu pai, solidão que eu nem sei explicar.

Café consolo no frio da cidade que me abraça. O cheiro do meu pai, sua risada, e a estranha sensação que não o perdi. Quando a morte levou meu pai, levou a mim também. Ficamos os dois invisíveis.

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

a terceira margem

Por Ana Paula Perissé




                                        a cada feitura de 1`linha,
                                        angústia que labuta
                                        transpor algo de valor
                                        talvez,
                                        tão próximo à ternura
                                        de dizer
                                        não por vaidade
                                        mas sim
                                        por devoção.


                                        (DOLOR)


                                        a cada frase,
                                        a vontade súbita de romper
                                        com o não sabido
                                        e trazer à baila
                                        um bailado só
                                        suave
                                        e de facto


                                        1 significante e 1/2
                                        de tremor.