segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

aceite

Por Ana Paula Perissé




                                          daqui
                                          a 1 instante
                                          eterno


                                          escreverei símbolos


                                          quando meu
                                          amor
                                          banhar-te
                                          por
                                          inteiro


                                          (deixa-me apenas
                                          sermos.)


                                          e juntos
                                          fluidos & afectos
                                          memórias
                                          nos embalando
                                          em ritmo de lua
                                          verde


                                          aceite pois
                                          minha entrega
                                          de mulher que te aceita
                                          como tentamos ser


                                          mundanos
                                          perdidos
                                          paridos
                                          em névoa
                                          celeste


                                          mas órfãos de deuses
                                          em conjunção:


                                          aqui.

domingo, 8 de dezembro de 2019

Angústia

Por Oswaldo Antônio Begiato




(Para Niquinho, amigo de boteco)


Jaz aqui minh'alma desconsolada
Cujo corpo frágil partiu-se em muitos,
Cujo corpo partiu-se para sempre.
Jazo eu aqui, sem corpo e sem alma.


No contundente silêncio da morte
Jazem insepultos os pensamentos,
As flores semeadas pelo vento
E os vermes espertos comendo a carne.


No momento preciso foi-se a vida,
Carregando dentro dela os sonhos,
As esperanças bobas e as angústias.
Foi-se após um longo tempo de dor.


Sofrimento, deixai a morte em paz!

sábado, 7 de dezembro de 2019

Acalanto

Por Meriam Lazaro


Imagem: Dimitra Milan


Velo teu sono
de prata,
homem cheiroso
de mar...
Em meio sorriso,
já despido do dia,
no futuro
ou no passado,
estás a sonhar.
Barba
por fazer,
acomodas a cabeça
em meu colo.
Acalanto a paixão
que nos cerca,
enquanto te
entregas
ao simples gesto
de esquecer
nuvens e aço.
Mas acordo,
esfrego os olhos e vejo
que quem sonhava
era eu,
longe de ti,
em vertigem...
Mulher passarinho,
sem asas para voar.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Uvas passas

Por Mayanna Velame




Degustou um
cálice de
vinho,
apreciou
um pedaço de
panetone.
Mas
quando
se tratou de
uvas passas, essas,
ele passou...

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Te adoro

Por Nana Yamada




Te adoro
A cada instante
Isso me basta
Todos os dias
Ter motivos
Para virar a página
A cada anoitecer
E recomeçar
A cada amanhecer
Ao seu lado
Mais um dia…


Te adoro
Todas as vezes
Que sua preocupação
O transforma
Numa pessoa tão única
Que me faz
Perceber
Os mínimos detalhes
Que eu jamais
Tinha visto,
Experimentado,
Vivido…


Te adoro
Por ser o que
Não consigo explicar
Por não conseguir
Descrever o que sinto
Faz de mim
Uma criança à toa
A rir de
Cada detalhe
Que só nós vivemos
Pois você é
Autor e arquiteto
Do que vivo…

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Tagarela

Por Fabio Ramos




não
sabe


da missa


nem
a metade


(porém quer ensinar)


o padre a
rezar


(...)


não sabe do peso


daquela
cruz


(porém quer condenar)


sem
medir


a si mesmo


(...)


padre
você
não é


(padrinho também não)


e muito
menos
padrão


APESAR DA AMBIÇÃO

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Coração

Por Denise Fernandes




Coração mutilado

Na vida arruinado

Mas também lotado

De dores cansado

De amores amado



Coração lua

Girando em torno

Coração saudade

Tecendo

Outro coração

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

do ofício de escrever

Por Ana Paula Perissé




                                      eu
                                      escrevo
                                      por um pouco
                                      de paz


                                      encontrar
                                      meus
                                      fantasmas


                                      ( e desfazê-los em)


                                      sombras
                                      adoráveis


                                      tocar minha alma
                                      com o perfume
                                      que me vem
                                      do cheiro


                                      do abismo
                                      das folhas caídas


                                      do ser
                                      humanizado
                                      que ainda canta
                                      sua história singular.


                                      ( eu escrevo para nada dizer)


                                      apenas para
                                      sentir-me
                                      digna


                                      de algumas vidas
                                      ainda mais.

domingo, 1 de dezembro de 2019

Ilhéus

Por Oswaldo Antônio Begiato




Pescadores de maré baixa, pescadores de maré alta!
Tragam em suas redes preciosas
O fio negro da crina do cavalo Branco de Napoleão,
A ponta de dois gumes da estrela cadente,
A varinha de condão da fada sininho,
A moeda de ouro do pote sob a extremidade do arco-íris
Porque o pôr do sol se fará belo como Cleópatra
E me farei por ti, Ilhéus, apaixonado como um transeunte desassossegado.


Mario Quintana, o gaúcho, que a essa hora se esbalda de céu,
E pouco caso faz do tempo
Deixando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas,
Adoraria a Bahia.
 Na Bahia o tempo não tem a menor importância
Porque o céu chegou primeiro aqui, e aqui se rimou todo.

sábado, 30 de novembro de 2019

Remanso

Por Meriam Lazaro




Água morena
da fonte
que busca
do rio
a concha
e o olhar


Água da pedra
serena
que leva
a Minas
segredos
do mar


Água salina
do poço
que manhãzinha
adoça
o gozo
e o despertar


Água em gota
pequena
que guarda
oceano
saudade
e luar


Água remanso
de colo
que move
do beijo
memórias
e um soluçar

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Hodie

Por Fabio Ramos




e você
faz


planos


sem
combinar


os detalhes com Deus


e
daí
um dia


(COM A MORTE VOCÊ DEPARA)


pois o plano
de Deus
não
é


o mesmo que
o teu


(...)


hoje
você
deixa


PARA DEPOIS


sendo
que


(para o amanhã)


não


GARANTIAS


(...)


tenha
em


mente


um
lema:


com a morte


você
não
negocia


OU DISPUTA NO XADREZ

terça-feira, 26 de novembro de 2019

Morangos

Por Denise Fernandes




Plantar morangos foi um dos maiores lazeres dos últimos dez anos. Tudo começou com um pequeno vaso, um morango sorridente, que dei para mim mesma no Dia das Crianças. Comprei-o na feira, em 12 de outubro.

O pequeno vaso continuou a florir e frutificar. Depois, deu mudas. Meu pai, devoto da jardinagem, disse que o pé de morangos "gostou do lugar". Ensinou-me a fazer o plantio das mudas  arte que ainda preciso aprimorar.

Cheguei a ter oito pés de morango, delicados, sempre florindo e frutificando. Virou um imenso prazer acompanhar o ciclo, a flor, o pequeno fruto verde. Seu desenvolvimento, seu amadurecimento. E o morango prazeroso na boca de alguém. A delícia que eu experimentava, junto às plantas, era uma sensação de pertencimento: sou delas e elas são minhas. Entre nós, a simbiose da água e do sonho, da vida e da poesia.

Tive que ausentar-me de casa por um mês, e eles morreram. Agora, comprei um vaso novo de morangos. Não é uma espécie de esperança renovada, mas o mergulho na magia da natureza. Ele vai florir novamente? Dará frutos? Produzirá mudas?

O futuro incerto de todos nós é o alvo. A semente, dentro de mim, me faz agarrar cada oportunidade de frutificação. Talvez seja um simples (e bobo) desejo de ser feliz; em meio a tanta confusão (e angústia). Talvez seja a sorte de ter encontrado a planta naquele exato momento. Talvez seja o exemplo do meu pai, que fez uma estrada: seguir os passos dele, com alguma alegria, traz segurança.

Parece que sei mais de mim diante do morango, que frutificou na minha frente. E esse saber me conforta.

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

passagens gitanas

Por Ana Paula Perissé




                                    Passagens
                                    venham me atravessar!
                                    Toques de violinos
                                    que já me viveram
                                    de vidas póstumas
                                    paragens do futuro
                                    com sabor acre
                                    no meu corpo
                                    cordas a pulsar
                                    em ritmos de diafragmas
                                    amantes.


                                    Paisagens de travessias
                                    em retalhos de atalhos
                                    costurados pelas notas
                                    de cada som
                                    vibrante
                                    atonal
                                    de cada passo
                                    de cada olhar entre bailarinos
                                    sozinhos de luas.
                                    Cadências passadas
                                    no bater de saltos
                                    incansáveis
                                    no tablado rubro do imponderável.


                                    Venha, gitano!
                                    tomar-me
                                    em cálices de
                                    pequenos perfumes de mim
                                    poros suados
                                    corpos cansados
                                    semblante ávido
                                    pela derradeira música
                                    que nos resta
                                    de sermos
                                    apenas
                                    passageiros fadados
                                    ao esquecimento da carne
                                    espiritual.

domingo, 24 de novembro de 2019

Perda de tempo

Por Oswaldo Antônio Begiato




Para onde você pensa que vai?
Não sabe que todos
os caminhos
levam a Roma?


E quem tem boca
beija
e quem não a tem
ouve.


E quem tem um só olho
cativa a princesa
e quem não tem olho
vive só.


Ou beija a princesa e a desperta.


E quem tem pés
massageia as costas
e quem não tem
espera.


Uma canoa se faz com um pau só
e muitas mãos e muitos sonhos e muita coragem.


E quem fica muito
singrando mares
não conhece as terras.


Da terra se vem
a terra se vai,
mas é preciso cuidado;
nem tanto ao mar, nem tanto ao amar.


Como é doce amar no mar!

sábado, 23 de novembro de 2019

Revelação

Por Meriam Lazaro




Na face em que
me escondo,
em redoma
apareço.


Meu espelho
é o mundo,
minha paz
é o meu apreço.


Só nos versos
me revelo,
desnudo a alma
em dor.


A tristeza
que invento
tem apelo
para o amor.


Já não quero
mais segredo,
cansei de ser
sonhador.


Com desmazelo,
confesso
dissonância
interior.


Reflito
a outra face
e revelo-me
em flor...

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Venha

Por Nana Yamada




Meu amor, venha comigo
Pegue na minha mão e vamos dançar
Vamos nos entregar
Escute o ritmo do meu coração
Será que você pode sentir
O quanto me sinto realizada contigo?
Venha, não solte minha mão
Não mais e nem nunca mais
Vamos passar a noite nos amando
Vamos nos permitir
Meu doce amor,
Adoro a maneira como sorri
Oh, seu jeitinho tão único
Todo amor do mundo encontro em você
Vida minha, venha correndo
Não vê que o tempo voa?
Ainda estou aqui
Sempre estarei aqui
Por você
E somente você

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Invadir o escuro

Por Fabio Ramos




em busca


de
água


no deserto:


e
na
água


(a concha)


e
na
concha


A PÉROLA em vias de ser
descoberta


(...)


quem
será
o primeiro


a
tocar?


e
teu
brilho


(macular com)


apenas
um


olhar?


(...)


se
para
usufruir


no
deserto


é necessário achar


não
serão
miragens


QUE IRÃO LHE TAPEAR

terça-feira, 19 de novembro de 2019

Sociedade do desempenho

Por Maurício Perez



Acho que foi Gilles Lipovetsky quem cunhou este termo: sociedade do desempenho. Vivemos em uma sociedade onde tudo é competição, tudo é ranqueado, avaliado. Temos metas, exigências por resultado e, no fim, sobrarão apenas campeões ou fracassados.


De fato, repare à sua volta. Qual a posição da escola do seu filho no ranking do Enem? Sua universidade tem quantas estrelas? Sua empresa está na lista da Fortune? Você vai medir seu desempenho de corrida naquele aplicativo e publicar no Facebook? As revistas femininas cobram desempenho na cama. Qual a porcentagem de gordura no corpo? Que prêmios você já ganhou? Tem algum certificado? Esse filme ganhou quantos Oscars para merecer uma conferida? Sua página tem quantos seguidores no Instagram? Qual a nota do seu carro na revista Quatro Rodas?


Tenho visto não poucos jovens macerados pelo desejo de dar certo, de crescer, de serem bem-sucedidos; de uma forma que ultrapassa o sadio. É obsessão. Seus pensamentos, inconscientemente, são sempre um mantra: "Tenho que vencer, tenho que dar certo, tenho que superar, tenho que alcançar aquela meta, devo fazer isto e aquilo, preciso conseguir". Estão vivendo com um alarme interno que nunca desliga. Olham para o lado e veem seus colegas imersos, dedicados, empenhados. É uma competição. E a possibilidade de ser ultrapassado, de ficar para trás, é insuportável para eles.


Algumas consequências são bem conhecidas. Perdem a saúde: gastrite, cefaleia, insônia, ansiedade, depressão. Os relacionamentos se deterioram: namorados vão embora, a família se afasta (amigos, idem). A cara sorridente dos campeões esconde muita frustração, dor e solidão.


Outras consequências são menos conhecidas. Há um empobrecimento da alma. A vida se reduz a um jogo, onde o que importa é ganhar ou perder. Vejo profissionais de sucesso que já possuem dinheiro e solidez, mas querem algo mais: IPO, aquisições etc. Uma nova etapa no videogame da vida. Isso é muito pobre! A vida é bem mais do que jogar, competir, ter boa imagem diante dos demais. Descubra pessoas. Nossa cultura e civilização. Invista nas aventuras do espírito. Descubra a família, onde somos queridos por ser - independente dos nossos resultados. Na família, não somos promovidos, rebaixados ou demitidos. Descubra Deus, que é Pai, e não gerente.


Aprenda a fracassar também. Aprenda a ficar para trás. A rir. Aprenda a se levantar. Vamos trabalhar, crescer e lutar, mas em paz.

É autor do blog Correio Chegou.

segunda-feira, 18 de novembro de 2019

portal

Por Ana Paula Perissé




                                  quero desaparecer na simplicidade
                                  num portal que me encerre
                                  na raiz das coisas
                                  como elas simplesmente são


                                  simples
                                  como o movimento da vida
                                  a respiração dos amantes
                                  o ritmo de ser
                                  o amor em cada pétala que cai


                                  simplicidade alquímica
                                  nas pálpebras
                                  que resguardam
                                  nosso olhar
                                  quase absoluto
                                  obscuro


                                  em segredos à plena luz