segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

palidez

Por Ana Paula Perissé


Imagem: Steve Hanks


                                          posto
                                          que te asseguro
                                          a revoada de um amor
                                          que te entrego
                                          toda
                                          sem pedir-te
                                          sequer
                                          um bailado de toques,
                                          encontro de pupilas


                                          em ardência, repouso
                                          ausência de mim
                                          ( de nós)


                                          Fim
                                          de noite
                                          aurora pálida
                                          de ti.

domingo, 17 de fevereiro de 2019

Irmãos de sangue

Por Oswaldo Antônio Begiato




Há uma tristeza imensa
no fundo de meu coração.


Há um coração imenso
no fundo de minha tristeza.

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Garças

Por Meriam Lazaro




Garças brancas e ligeiras
Levem-me nesse voar
Gozoso de brincadeiras,
Alvas penas, saltitar.
Águas brancas corredeiras
Também quero atravessar.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Dessa janela

Por Nana Yamada




Dessa janela
Eu vi
Dia e noite
Todas as estações
As mesmas rotinas
Os mesmos passos
A lua que estava sempre lá
Me dando inspiração
Para te transformar em poesia
Esperando por sua volta
Contando os segundos para chegar
Dessa janela dupla
Que nunca se fechou
Me trazendo sentimentos
Tão certos e tão incertos
Tão você o tempo todo
Dessa janela
A única graça
Era você
Somente você
Que iluminava ao passar
Por alguns segundos
Tantos minutos
A espera
Bastava olhar
Que tudo já estava…

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Bem bobinhos

Por Fabio Ramos




a seu pai


Edu
propôs:


(troco um pebolim)


por
uma
espada


DE SAMURAI


(...)


e a sua
mãe
Lia


anuncia:
TROCO UMA CHUPETA


por
um
brinco


(DE ARGOLA)


(...)


André e Gabriela
ainda não
deram


uma
resposta


(...)


e
assim
prolongam


esse
aperto:


(os filhos cobram)


e não
esquecem
mais


J
A
M
A
I
S

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

San Pablo

Por Denise Fernandes




Aqui em San Pablo

quando agoa uma chuva de morte

o povo pensa na enxurrada

e esquece a própria sorte

eu que penso em ti

menina distraída

sinto o ar mais limpo

águas passadas que não movem moinhos

luz nas trevas que não me fazem esquecer

deixem o verme

apodrecer

precisamos das águas dos céus

sou transparente

mas o que há em mim é verdade

que não se desvela

é sono que não dorme.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

posso nos comprar velas?

Por Ana Paula Perissé




                                      posso nos
                                      comprar velas?


                                      porque neste tipo de escuridão
                                      que ficou
                                      mal consigo sonhar
                                      (permita-me!)


                                      posso nos comprar velas?
                                      porque nestes tempos
                                      que me restaram
                                      o aroma se debruça
                                      ao largo
                                      de meu precipício
                                      sem teu ar


                                      (quente, sempre vivo
                                      nos meus restos
                                      ainda pulsantes
                                      de sermos)

domingo, 10 de fevereiro de 2019

sábado, 9 de fevereiro de 2019

Normal

Por Meriam Lazaro




Sou um poema analógico
numa era digital.
Meu pensamento ilógico,
confiante, irracional,
talvez seja psicótico,
do tipo que não faz mal.
Verme feroz ou andrógino...
Só queria ser normal.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Brumadinho

Por Mayanna Velame




Desse vale, uma bruma
rascunha um poema.
De letras retorcidas e lodosas.
Teu nome é único...
Brumadinho!

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Brindar o nosso amor

Por Nana Yamada




Todas as vezes
Que você decide reaparecer
É tão fácil me perder
No seu mundo tão misterioso
É tão fácil me entregar
Me declarar
Criar palavras de amor
Querer me jogar em seus braços
Viver o mundo…


Qualquer palavra tua
Me tira do eixo
Da realidade que vivo
Me perco sem perceber
É tão simples sorrir
Ao pensar em você
Meu coração continua a acelerar
Só de lembrar
Tudo aquilo que não vivemos…


Quantos momentos
Ainda por viver
A seu lado quero estar
Nada mais eu poderia pedir
Vindo d'Ele
Sob a bênção d'Ele
Brindar o nosso amor
Nessa fé eterna
Que Deus nos permita…

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Espeta

Por Fabio Ramos




na hora da sesta


trocou
sua


(REDE)


por
uma


CAMA DE PREGOS


(...)


e
todas
aquelas pontas


que
não


perfuram


seu
corpo


(...)


foi estranho adquirir


a cama
do
faquir


mas valeu cada


centavo
pago


(...)


AGORA
que
fica


(de barriga)


para
cima


(com um cigarro)


entre
os
LÁBIOS


enquanto as pálpebras


fecham e
sua


coluna endireita


(...)


retorna
ao
trabalho


com
PESAR


considerando encarar


as
agulhas
da acupuntura

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Do fundo

Por Denise Fernandes




Como chutar cachorro morto

ele ainda insiste

no meu corpo cheio de luto

e de dores dilacerantes

das mágoas da vida

do vidro quebrado e exposto

esqueleto de baleia na praia

saudades do que eu não posso ter.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

stigmata

Por Ana Paula Perissé




                                          feridas
                                          na pele
                                          do tempo


                                          (brechas em poros
                                          dobras de guerra)


                                          memórias
                                          que ferem
                                          sem dizer
                                          atonal com tempo loquaz


                                          Resquícios
                                          que sangram
                                          no orvalho
                                          do tecido organo'nosso


                                          Stigma-que(não)-mata
                                          ainda/

domingo, 3 de fevereiro de 2019

Deserto

Por Oswaldo Antônio Begiato




Estou morrendo de sede,
Mas o que fazer,
Se o teu poço é fundo
E minha corda curta?


O que fazer,
Se o teu deserto é imenso
E meu caminhão pequenino?

sábado, 2 de fevereiro de 2019

Chorinho

Por Meriam Lazaro




Meus versos são corrompidos
Pelo carinho dos teus
Lábios que sopram atrevidos
Flauta de marfim e breu
Pandeiro solo sentido
Cavaquinho enfureceu
Violão tocou de ouvido
Um bandolim renasceu
Em ritmo compadecido
Do pobre chorinho meu

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Português amoroso LXXXIV

Por Mayanna Velame


Alberto Gattoni no Sarau do Gatto


O poeta,
a poeta ou a poetisa?
Não importa.
Queremos é poesia!