segunda-feira, 30 de setembro de 2019

abandono

Por Ana Paula Perissé




                                            há sempre algo
                                            que não consigo dizer
                                            e é desta sobra
                                            que me martela
                                            a existência


                                            a cada dia
                                            persigo
                                            entrelinhas fugidias
                                            voadoras
                                            fugazes


                                            (em cada dobra
                                            do mundo
                                            jaz um segredo que
                                            de tão óbvio
                                            me escapa
                                            e não retornarás
                                            ao mesmo)


                                            "CRIAI
                                            mesmo
                                            que no escuro!"


                                            gritam-me
                                            origens estranhas

domingo, 29 de setembro de 2019

Fortaleza

Por Oswaldo Antônio Begiato




Será que um dia,
depois do serão
cearei no Ceará?


Será?


Será que faremos
serenatas
dentro do Coração
do Ceará?


Será?


Ceará comigo,
no Ceará, essa mulher
cearense como o sertão?


Não sei
se será.


Se será
saberei
no Ceará
e serenarei.


O Ceará sempre serena!

sábado, 28 de setembro de 2019

Vou te deixar

Por Meriam Lazaro




horas vazias
do calendário
que vivemos sós
em antiga companhia...
Corpos que enviam
sinais contrários,
olhares que não mais buscam
tesão ou ternura...
Também, um riso,
legado de outrora,
dos dias em que eu te habitava
e nosso silêncio era pleno.
Levo, porém, a moldura de asas
e a certeza de mais nada levar...

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

O que o tempo não levou

Por Nana Yamada




Eu olho para seus olhos
E eu tenho a certeza
Que encontro no seu olhar
A verdade que sempre buscamos
Acreditamos e lutamos
Seguindo passos diferentes
Em busca do mesmo sentimento
Que algum dia plantamos
E deixamos no meio da estrada
Por orgulho deixamos passar
Tudo aquilo que o tempo
Nunca levou…

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Desengano

Por Fabio Ramos




QUER DESVER


após
ter
visto?


(...)


QUER DESLER


após
ter
lido?


(...)


QUER DESAMOR


após
amar


e ser amado?


QUE
CHATO!


(...)


QUER DESBOCAR


após
trocar


e ser trocado?


QUE
SACO!


(...)


se
for
assim


(vá em frente)


VAI


E ENFRENTE!

terça-feira, 24 de setembro de 2019

Ipê

Por Denise Fernandes




ipê amarelo

lembrança alegre

cor da infância

Oxum chegando

cheiro de bolo assando

carinho de mãe

terra molhada

só sei ser feliz assim

pés descalços

sol na varanda

lua na estrada

tudo e nada

sim e amor

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

marcas

Por Ana Paula Perissé




                                      Marcas
                                      do continuum de uma história
                                      plena de agoras
                                      outrora
                                      não vividas
                                      irrompem
                                      de forma abrupta
                                      o despertar
                                      do qual tanto anseio.


                                      meu passado
                                      que não se fez
                                      é AION
                                      tempo mágico
                                      ah! venha tomar-me
                                      de assalto
                                      e a ti
                                      me entrego
                                      acção vindoura
                                      do que ainda me resta
                                      longe de CHRONOS
                                      faminto e brutal


                                      te quiero
                                      KAIRÒS como amante
                                      desfigurante
                                      vívido e pulsante
                                      e não linear


                                      como
                                      numa brava
                                      magia de Moiras
                                      dançarinas


                                      ( celebrantes da Vida)


                                      esvoaçante
                                      desejante
                                      pra nós.

domingo, 22 de setembro de 2019

Estátua

Por Oswaldo Antônio Begiato




Se for de pedra sabão
levá-la-ei pelas bandas
das Minas Gerais
ao lado de outras
de Antônio Lisboa
deixarei ficar observando o céu...
O céu interno que me devora
as mãos, a carne, o tempo...


Se for de madeira,
colocarei no altar de minhas desconfianças
onde faço pobres preces
pedindo um mundo de terços, de piedades,
de ladainhas, de misericórdia,
de tolerância...


Se for de bronze,
recolherei-a dentro de meus olhos,
e banhada em lágrimas
fixá-la-ei com minhas dores
nas minhas lembranças
de homem tímido e nítido.


Se for de barro
amadurecerei-a ao fogo,
para que rígida
sirva de expectadora
das velas que acendo
cheio de vãs esperanças,
de fés abaláveis,
de razões obtusas...


Agora se for de chocolate,
deixá-la-ei para ti.
Que ela te faça
vício em teu corpo límpido,
saliva em tua boca árida
e prazer em tua língua insaciável.


Beijo-te assim
eternamente cativo
e sabendo que de teu livro
não passo de folhas de recordações.
Mal escritas. Mal deixadas.


Folhas amareladas que guardam
uma pétala já sem perfume algum,
estátua de minha devoção silenciosa.

sábado, 21 de setembro de 2019

Palco do amor

Por Meriam Lazaro




Sou ópera menina
no palco do amor,
tenho quinze anos
de sorte e de dor.


Erguem-se as cortinas
vem à luz o ator.
Em cena: desengano,
sombras e alvor.


Música divina...
Cordas e tambor,
flautas que suspiram
cisma e frescor.


Bela bailarina
morre cisne e flor.
Palmas que conclamam
a dança do amor.

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Arranha-céu

Por Mayanna Velame




Não gostava de Deus.
Por isso, quis feri-lo.
Tempos depois,
tornou-se engenheiro
para construir um arranha-céu.

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Selma quitandeira

Por Fabio Ramos




melão
na
fruteira


até
apodrece


mas os melões da vizinha


são
de
abrir


qualquer apetite


(...)


eles
têm


cor
sabor
E MADUROS JÁ ESTÃO


(...)


as frutas


que
ele
não


(desfruta)


são
mais


suculentas


(...)


e
outra:


MELÃO NEM ENGORDA


(...)


o
que
engorda


na
verdade


é a vontade do homem


(...)


e
tua
vizinha


é uma uva mesmo

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Sol

Por Denise Fernandes




lembranças e eu

perdida no tempo

passado presente

eterna semente

alga música mel

sem saber onde vou

liberdade ou destino

silêncio ou sol

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

devoradora de silêncios

Por Ana Paula Perissé




                                          devoradora de silêncios
                                          ou páginas em
                                          branco


                                          pulsantes na alvura
                                          do barulho recôndito
                                          de cada palavra
                                          que
                                          G
                                          R
                                          I
                                          T
                                          A
                                          desejante de nascimentos


                                          música pensada
                                          pinceladas no vazio
                                          cinema sem tela


                                          VIDAS ainda
                                          em pregnância


                                          ( meu amor se faz
                                          nesse espaço do vir-a-ser
                                          quando o tempo,
                                          em suave suspensão,
                                          traz-me teu
                                          silêncio
                                          decifrado em mim)


                                          modulações de almas,
                                          nossas

domingo, 15 de setembro de 2019

Amálgama

Por Oswaldo Antônio Begiato




A terra é líquida;
Líquido é o aço.
Teus olhos são líquidos;
Líquida é a tristeza.


A carne é sólida;
Sólido é o osso.
Teus braços são sólidos;
Sólida é saudade.


A rosa é líquida;
Líquido é o espinho.
Teus ouvidos são líquidos;
Líquida é a música.


A estrada é sólida;
Sólido é o destino.
Teus pés são sólidos;
Sólida é passagem.


A paixão é líquida;
Líquido é o sofrimento.
Teus lábios são líquidos;
Líquida é a eternidade.


A ferida é sólida;
Sólido é o sangue.
Teus nervos são sólidos;
Sólida é a esperança.


A vida é líquida;
Líquido é o tempo.
Teus poros são líquidos;
Líquida é a morte.


Líquida e certa!

sábado, 14 de setembro de 2019

A cerimônia do chá

Por Meriam Lazaro




Neste ensolarado dia,
num "café colonial",
troco pão por poesia,
esqueço até do jornal.


Tendo boa companhia:
amigos e recital.
A tarde ganha alegria,
penso até que é Natal.


Sirvo, em rito de magia,
um chá cerimonial.
Para trazer harmonia
e um amor especial.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Cidade

Por Mayanna Velame




Tuas ruas
impregnadas
de poeira.
Derreto asfaltos
com meu olhar.
Navego feliz entre teus
córregos de luz.

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Eu nunca

Por Nana Yamada




Eu nunca estive
tão sozinha
como quando
estive acompanhada.


Eu nunca estive tão acompanhada
como quando estive sozinha.

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Unidos pelo nome

Por Fabio Ramos




três
vezes
campeão


NA FÓRMULA 1?


só pode
ser


o Piquet


(...)


quem
criou


VESTIDO
DE
NOIVA?


é o Rodrigues


(...)


cantor
com


POTÊNCIA VOCAL


e ainda
sim


GAGO?


pode


ser o Gonçalves


(...)


aquele
que


não
cresceu
MUITA COISA?


é o Ned


(...)


enquanto o Rubens
fica só no


OK
OK
OK

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Casa

Por Denise Fernandes




asa do meu ser

tecido que envolve

nossas almas

paredes de tijolos

porta que se abre

com alegria

janelas sabendo

um novo dia.

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

salga-te para ser

Por Ana Paula Perissé




                                      água de lágrimas
                                      eu não a sinto
                                      porque
                                      ela despenca


                                      não me possuo
                                      sinto que sou-me
                                      apenas
                                      alagada num mar salgado


                                      Vênus delirante
                                      ardei sem dono!


                                      choro por um instante
                                      de sonho
                                      desvario
                                      quem serei depois?


                                      (minh'alma me tem prisioneira
                                      do horizonte)