segunda-feira, 16 de setembro de 2019

devoradora de silêncios

Por Ana Paula Perissé




                                          devoradora de silêncios
                                          ou páginas em
                                          branco


                                          pulsantes na alvura
                                          do barulho recôndito
                                          de cada palavra
                                          que
                                          G
                                          R
                                          I
                                          T
                                          A
                                          desejante de nascimentos


                                          música pensada
                                          pinceladas no vazio
                                          cinema sem tela


                                          VIDAS ainda
                                          em pregnância


                                          ( meu amor se faz
                                          nesse espaço do vir-a-ser
                                          quando o tempo,
                                          em suave suspensão,
                                          traz-me teu
                                          silêncio
                                          decifrado em mim)


                                          modulações de almas,
                                          nossas

domingo, 15 de setembro de 2019

Amálgama

Por Oswaldo Antônio Begiato




A terra é líquida;
Líquido é o aço.
Teus olhos são líquidos;
Líquida é a tristeza.


A carne é sólida;
Sólido é o osso.
Teus braços são sólidos;
Sólida é saudade.


A rosa é líquida;
Líquido é o espinho.
Teus ouvidos são líquidos;
Líquida é a música.


A estrada é sólida;
Sólido é o destino.
Teus pés são sólidos;
Sólida é passagem.


A paixão é líquida;
Líquido é o sofrimento.
Teus lábios são líquidos;
Líquida é a eternidade.


A ferida é sólida;
Sólido é o sangue.
Teus nervos são sólidos;
Sólida é a esperança.


A vida é líquida;
Líquido é o tempo.
Teus poros são líquidos;
Líquida é a morte.


Líquida e certa!

sábado, 14 de setembro de 2019

A cerimônia do chá

Por Meriam Lazaro




Neste ensolarado dia,
num "café colonial",
troco pão por poesia,
esqueço até do jornal.


Tendo boa companhia:
amigos e recital.
A tarde ganha alegria,
penso até que é Natal.


Sirvo, em rito de magia,
um chá cerimonial.
Para trazer harmonia
e um amor especial.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Cidade

Por Mayanna Velame




Tuas ruas
impregnadas
de poeira.
Derreto asfaltos
com meu olhar.
Navego feliz entre
teus córregos de luz.

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Eu nunca

Por Nana Yamada




Eu nunca estive
tão sozinha
como quando
estive acompanhada.


Eu nunca estive tão acompanhada
como quando estive sozinha.

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Unidos pelo nome

Por Fabio Ramos




três
vezes
campeão


NA FÓRMULA 1?


só pode
ser


o Piquet


(...)


quem
criou


VESTIDO
DE
NOIVA?


o Rodrigues


(...)


cantor
GAGO


com um vozeirão?


só pode
ser


o Gonçalves


(...)


aquele
que


não
cresceu
MUITA COISA?


é o Ned


(...)


enquanto o Rubens
fica só no


OK
OK
OK

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Casa

Por Denise Fernandes




asa do meu ser

tecido que envolve

nossas almas

paredes de tijolos

porta que se abre

com alegria

janelas sabendo

um novo dia.

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

salga-te para ser

Por Ana Paula Perissé




                                      água de lágrimas
                                      eu não a sinto
                                      porque
                                      ela despenca


                                      não me possuo
                                      sinto que sou-me
                                      apenas
                                      alagada num mar salgado


                                      Vênus delirante
                                      ardei sem dono!


                                      choro por um instante
                                      de sonho
                                      desvario
                                      quem serei depois?


                                      (minh'alma me tem prisioneira
                                      do horizonte)

domingo, 8 de setembro de 2019

O tempo e os olhos

Por Oswaldo Antônio Begiato




minhas mãos
como eu
estão velhas e empacadas


o tempo
foi me levando aos poucos
e me deixando aqui só
com a pele solta
e os olhos míopes


não encontro meu semblante
entre as rugas


mal consigo enxergar
a mim mesmo
no espelho


a vida
é tão sacana
que nos colocou
no rosto
um monte de músculos
para nos fazer chorar
e poucos
para nos fazer sorrir


o riso, portanto, é coisa rara
a lágrima constante e doída

sábado, 7 de setembro de 2019

Partiu

Por Meriam Lazaro




Como quem ama
em despedida,
ergueu raiz.
Foi embora.
Sorriu,
alva partida.
Se nada
quis,
no coração,
levou memórias.

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Português amoroso XCI

Por Mayanna Velame




Perguntaram ao poeta:
 É namoro ou amizade?
O poeta, então, respondeu:
 É namoro e amizade!
Sentimentos bons não se alternam...
Devem ser sempre aditivos!

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Novamente

Por Nana Yamada




Todas as vezes
Que você (re)aparece,
Todas aquelas coisas ocultas
Resolvem (re)nascer
Novamente…

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Chicote no lombo

Por Fabio Ramos




o negócio
dela
é


(humilhar)


os
que
mostram


ALGUM INTERESSE NELA


(...)


o prazer
dela
é


(insultar)


os
que
passam


UMA CANTADA NELA


(...)


e
como


(qualquer desmiolada)


Alê
se
diz


cheia
DE PERSONALIDADE


(...)


não
seja
tolo


meu rapaz:
entre


de
sola
(no jogo)


que a jumenta propõe


(...)


ganhe
sua
atenção


MENOSPREZANDO-A


(...)


e feito
isso


use
os
ultrajes


(mais chulos e vulgares)


(...)


com ela
puta


BASTA ARRIAR A SELA


na
égua


e montar nela


(...)


uns bons
tapas


no
focinho
(também ajudam)


(...)


e
não


DÁ OUTRA:


o
remate
(dessa porcaria)


de
novela


todo mundo conhece

terça-feira, 3 de setembro de 2019

Cores

Por Denise Fernandes




No ápice do tormento

escuto tua voz

dizendo

que vou me arrepender



e eu que sei

que sou

arrependimento



me consolo na poesia

novos livros

mais palavras

outro dia



ainda que haja sofrimento

mesmo que seja sentimento



cavo no coração

a vontade

a esperança

e todas as cores

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

mínima pulsação

Por Ana Paula Perissé




                                      entre cada pulsação de dor
                                      uma fresta
                                      tal qual uma correnteza
                                      desvela um incerto
                                      adormecido


                                      que se faz verbo
                                      carne e existência
                                      a cada instante
                                      ( para que caminhos?)


                                      ousarei sempre os mesmos erros
                                      (todavia revistos...)
                                      desta vaga
                                      de te querer
                                      inundado de mim.

domingo, 1 de setembro de 2019

Sonho ao som do mar

Por Oswaldo Antônio Begiato




Sonhei com você esta noite.


Tinha a seu lado um recém-nascido terno,
Lindo como sua testa séria,
Limpo como suas vestes brancas,
Sereno como suas renúncias.


Ele tinha olhos verdes e claros
Como a luz do sol, logo pela manhãzinha,
Penetrando o mar de Ubatuba,
Mesclando algas, o azul e a profundidade.


O menino era tão lindo! Você estava tão linda!


Trazia nos braços flores transparentes,
No colo uma cicatriz de estrelas,
No sorriso um futuro de caminhos retos
E uma porta que me convidava à sua alma.


Você me chamou para junto de ti com mãos de chegança.


Quando eu, incrédulo, lhe sorri uma promessa etérea
Seu corpo esvaneceu-se delicado entre as horas
Lançando-me para fora de minhas paredes foscas
Entre um soluço de dor e um pedaço de impotência.


Despertei carinhosamente triste.
Despertei com as mãos entre o espírito e a carne.