quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Doctor Feelgood

Por Fabio Ramos




em
medicina


ele
foi
diplomado


*CONCLUINDO SEU DOUTORADO


e passou
por
muito


CURSO ESPECIALIZADO


(...)


mas
quanto
enrosco seria
evitado


se o professor do
maternal


no
passado


TIVESSE SOLICITADO


apenas
um
caderno


(DE CALIGRAFIA AO REGINALDO)


(...)


quem


a receita


do
doutor


ESCULHAMBADO?


(...)


na
drogaria


no posto de saúde


e
no
hospital


ninguém é adivinho


(...)


e
para


(comprar remédio)


na
base


DO GARDENAL


nem
a pau
Juvenal


(pois que farmacêutico lhe venderia?)

terça-feira, 29 de outubro de 2019

Azul

Por Denise Fernandes




o mar cheio de óleo

sente o amor do caranguejo

uma ostra alada

escrevendo novos destinos

na areia da praia

vivemos o luto das águas

reflexo da fogueira

onde arde o caráter

a esperança e o azul

líquido aéreo perfeito.

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

aparição inominada

Por Ana Paula Perissé




                                  não!
                                  não quero flores
                                  arrancadas de jardim suspenso
                                  inorgânico


                                  qualquer um as tira
                                  (vontade de autômato)
                                  e não mais as devolve


                                  rapto de origem!


                                  quero!
                                  quero aquilo que não sei
                                  e de que não posso
                                  não sei dar nomes


                                  (inominável sem avisos de chegada
                                  Aparição! )


                                  e minha alma ardente
                                  sofre pelo desconhecimento
                                  simples e comum


                                  banal perturbação.

domingo, 27 de outubro de 2019

Sem mais direções

Por Oswaldo Antônio Begiato




Eu vou indo... Vou indo;
Lidando com minhas sequelas,
Ingerindo inúmeras drágeas,
Frequentando agulhas
E rindo de minhas impotências.


Parte de minha feição ficou pelo caminho,
Pelo caminho ficou também parte de meu coração.
De sorte que perdi a pouca beleza que me fortalecia
E o pouco amor que me sacudia.


Não sou mais tormenta. Não sou mais demência.
Repouso sereno como olhos sobre flores.


Não consigo encontrar meu sexo;
Não fico afoito.
Não consigo encontrar meu prazer;
Não fico febril.


Por dentro sou manso;
Um barquinho ancorado num lago entre montanhas verdes
Sem movimentos. Quando consigo me mover, movo-me com lentidão.


Não sou mais homem de arroteamentos,
De horizontes longínquos,
De sonhos arrebatadores.


De tantas direções, restou-me apenas uma:
 O silêncio derradeiro.

sábado, 26 de outubro de 2019

Tambor da terra

Por Meriam Lazaro




Bate coração
da Terra...
Água!
Fogo!
Hera!
Vulcão!
Mão irrompe
a atmosfera,
bate palma
à poluição.
Seca!
Chuva!
Climaterrio!
Mudança de estação!
Música,
sobe às esferas!
Tambor,
acode
o irmão!
Dá-lhe hoje
sem espera
grande Amor
por salvação!

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Rio Negro

Por Mayanna Velame




E como navegar em ti?
Haveria coragem de
mergulhar em tuas
negras águas?
Teu destemido coração
é acidez pungente.

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

Já vou

Por Nana Yamada




Viajar é tão bom quanto escrever uma nova história
Ar que desconheço, refresco pra alma
De sotaques diferentes participo
Arquitetura que colore minha visão


Nuvens e oceanos
Por tantas vezes atravessei
Por tantos anos caminhei
As tentativas não param por aí


Os caminhos que me levam pro além
Em busca de uma nova rota
Em busca de um novo sentido
Em busca daquilo que nunca conheci


Venho deixando que o vento me leve
Para lugares onde nunca estive
Onde nunca pensei em estar
E já vou, mais uma vez...

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Prover os meios

Por Fabio Ramos




entrou no


SEX
SHOP


(esperando você)


que
nem


do carro saiu


(...)


e parou
em


um
PET
SHOP


(carregando você)


que
nem
rosnou


ou mesmo latiu


(...)


e
levou
AO BARBER
SHOP


que
está


(navalhando você)


de
tão
bravo


por cada centavo
PARADO


NA
PONTE
QUE RUIU

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Mar

Por Denise Fernandes




mar poluído

triste sofrido

mar aberto

mostra o certo

o abstrato amor

maior que toda dor



porque destruir

fazer sumir

a doce espuma

sem esperança nenhuma



mar coração do mundo

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

dodecafônica

Por Ana Paula Perissé




                                        sem harmonia
                                        aparente
                                        assim


                                        ( igual à vertigem de pedras)


                                        sem nada
                                        ausente
                                        ou prenhe de sons
                                        alhures


                                        vá te buscar
                                        e esqueça quem és


                                        por um instante
                                        se refaz
                                        e se soma
                                        ao barulho perene do
                                        silêncio


                                        em acordes
                                        estranhos
                                        vadios


                                        ( para seres inertes)

domingo, 20 de outubro de 2019

Em lugar algum

Por Oswaldo Antônio Begiato




o teu olhar, um poço
fundo, fundo, fundo,
penetra meu pensamento
doce, doce, docemente
e fecunda minha alma
com o sêmen da ternura


e como as primaveras azuis
broto, broto, broto
e abotoo no canteiro das hortênsias
tenras, tenras, tenro
me apaixono pelo teu cantar
perdidamente perdido


sem saber mais quem sou
ando, ando, ando
a teu lado, de mãos dadas
terno, terno, eterno
na estrada que fim não terá
nem aqui, nem em lugar algum.

sábado, 19 de outubro de 2019

Ventre

Por Meriam Lazaro




Meu primeiro,
grande, terno, doce,
melancólico amor...
Mas para que tanto adjetivo
se mesmo sem rosto
tua ilusão
carrego comigo?
As tranças balançam
cordas, redes, berços.
Balanço para lá e para cá
pelos ponteiros diminutos.
Vulto sem nome,
invocação que vai e vem.
De tudo gesta o verbo amar.
Delírio de criação...
Palavra ao ventre.

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Inspiração Marina

Por Fabio Ramos




por
dentro


é Marina menina


por
fora


é Marina mulher


(...)


se tiver
que


escolher


com
que


Marina você fica?


(...)


vai sofrer
com
a


(indecisão porém)


não
pra
separar:


MARINA É TODAS


em
uma só


(...)


aos beijos com ela?


segurar a
ruiva


em
teus
braços?


não faz mal sonhar


(...)


mas
para


(viver no coração)


de
Marina


EM PRIMEIRO LUGAR


é preciso
que
ela
saiba


da tua existência

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Oxalá

Por Denise Fernandes




nessa primavera

o canto do sabiá

agradece a Oxalá

estamos no Deus dará

então com sorte

flores música amores

sonhos alma santo forte

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

cidade 2

Por Ana Paula Perissé




                                            em pleno entardecer
                                            cidade voltando à casa
                                            exausta
                                            estampidos
                                            repentinos
                                            a granel


                                            Furos em muros
                                            na saúde
                                            no saber
                                            VIVER?


                                            ( viv-end...
                                            em núpcias de claustro)


                                            implosão
                                            sem nostalgia
                                            Kundalini sem serpente
                                            desritualizada
                                            da corrente sanguínea
                                            da vida


                                            que se liquefaz
                                            em estranhas formas
                                            e forças desiguais.

domingo, 13 de outubro de 2019

Carícias

Por Oswaldo Antônio Begiato




Suas mãos acariciando o meu corpo
Na cama grávida de lençóis perfumados
Sacodem meu coração de um lado pra outro
Feito areia na peneira entre as mãos do pedreiro.


Arrepio meus pelos e meus polos suados
Na pele que moldo com o tesão de meu sexo
Mergulhado dentro de sua ternura escultural
Feito porco espinho frente ao perigo.


Fecho meus olhos com a força de meus desejos
Cego-me com uma cegueira repleta de paisagens
Onde minha alma percorre a sua com malícias
Feito uma viagem ao país utópico de seu corpo.


E assim corpo a corpo desnudados em permissões
Amo-te tanto a alma, como a carne, como o sangue,
No abismo suave do tempo que nos esquece
Feito eternidade que nos adota em seu segredo.

sábado, 12 de outubro de 2019

Angustura

Por Meriam Lazaro




Baniu-se a flor do jardim
Sob a sombra mais escura,
Seu êxodo doeu em mim.
Tristeza que se mistura...
No Egito encontrou, enfim,
José e sua linhagem pura.


Não deveria ser assim,
Pois com a arte que depura
Purifica o querubim
Seu perfume de angustura...
Laranjeira no jardim
Veio do mato e se amargura.

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

O beijo

Por Mayanna Velame





Ao ouvir o soar da sineta, ele correu ao encontro de sua professora.
Na despedida, ela lhe ofereceu um dos lados da face corada.
Aquela docente era nota dez em simpatia.

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Lugar nenhum

Por Nana Yamada




Mais uma vez, dei outra chance
Não sei por que insisti tanto
Por alguém tão vazio e sem amor
Carregado de medo e incertezas
Tanto orgulho e frieza
Jamais foi amor
Jamais será amor
Desde quando o amor é perdedor?
Desde quando o amor é tão insignificante?
Você só me decepcionou, não sabendo ser Homem
Mais uma vez, eu havia cedido
A esse sentimento fútil
De completa ilusão
Eu sabia que nada disso seria diferente
Por que teimei tanto em acreditar?
Por que me indaguei tantas vezes?
Você simplesmente jogou fora
Minhas palavras de amor
E minhas poesias foram rasgadas
Tudo resumido em lembranças
Que nunca me levarão
A lugar nenhum

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Um por um

Por Fabio Ramos




em
sua


dinâmica


a
dupla


(mexe e sacode)


daqui
pra
lá:


o tango e a tanga


(...)


na
sua
cola


os sertanejos


em
dupla:


O PEDRO E A PEDRA


(...)


na
sua
casa


(uma daquelas)
duplas


do
bebê
e no rosto:


senhor catota e senhora remela