domingo, 22 de dezembro de 2019

Dura passagem

Por Oswaldo Antônio Begiato




A vida é feita de Sol;
Sol de boca pura,
Sol de pouca dura,
Banhada de manhãs;
Manhãs de fazer tremer.


A vida é feita de arames;
Alguns arames farpados,
Alguns arames esticados
E muitos outros bambos;
Bambos de fazer temer.


A vida é fila e a tristeza ilusão!
O resto é teatro.

sábado, 21 de dezembro de 2019

Acorrentada ao amor

Por Meriam Lazaro




Acorrentada ao amor
Voando solta em teus braços,
Sou leve, sou beija-flor,
Da solidão me desfaço.


No infinito ao redor,
Livre, com os pés descalços,
Pegadas por onde for
Lado a lado, passo a passo.


Elos que prendem sem dor,
Sem agonia ou cansaço,
Grilhões estão a favor,
Escravidão que enlaço.


De aliança é o sabor,
Leminiscata por laço,
Na tela de um pintor
Teus olhos são doce espaço.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Te espero para te amar

Por Nana Yamada




Tenho tanto amor para dar
Eu espero todo esse
Tempo para dedicar meu ser
Te oferecer todo o amor que guardei
Aquele amor especial,
Aquele amor único,
Aquele amor que eu reservei
Somente para você...


Meu doce pedacinho,
Aonde estás?
E quando virás até mim?
Te espero tanto que
Espero o tempo
Certo para ser tua
Só tua e te fazer feliz


Com meu amor prometo
Te proteger de todo o mal
Prometo que cumprirei
A minha missão
Te espero diariamente
Porque hoje você apareceu
No meu sonho
Fazendo-me sentir
Aquilo que jamais senti


Quando vi teus olhos,
Tive a certeza que você existe
Em alguma época da vida,
Você será meu
Te amarei incondicionalmente
Quero carregá-lo no colo
E poder dizer que você
É meu pedacinho...

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Opções

Por Fabio Ramos




se a vida te


der
um
milhão


(você torra)


ou
você


economiza?


(...)


se
a vida


te
der
(um safanão)


você repensa ou você reclama?


(...)


se
a vida


te der um limão


você
faz
uma


(limonada)


ou
uma
caipirinha?

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

Finda

Por Denise Fernandes




finda o dia

finda o ano

só não finda meu amor

raiz e água

sem tempo

só energia e razão

paz e furacão

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

atemporal

Por Ana Paula Perissé




                                    Movimento I


                                    Olho-te
                                    como se fosse
                                    para sempre
                                    a primeira vez
                                    (perplexidades...)


                                    e a cada poro
                                    ou respiração tua
                                    a descoberta
                                    que me
                                    refaz inteira


                                    despedaçada
                                    da vida
                                    em
                                    cada
                                    movimento
                                    nosso de fricção.


                                    Chorus
                                    suor de pele
                                    roçando faíscas
                                    enseadas perdidas
                                    insensatas e acendidas
                                    rastro de odor vermelho
                                    em suspensão...


                                    Movimento II


                                    Sinto-te
                                    como se fosse
                                    para sempre
                                    a última vez


                                    e a cada
                                    taça derramada
                                    transbordante de nós
                                    une a eternidade no instante
                                    que sangramos
                                    juntos


                                    quando o infinito
                                    se faz entre corpos de almas
                                    sob vertigem de nó.


                                    Chorus
                                    sonhos de desejo
                                    ancestral de fome
                                    scintilla primeva
                                    soma de nossos arcanos
                                    em misterium coniunctionis
                                    sem tempo


                                    Movimento III


                                    Transbordo-te
                                    como se fosse o passado
                                    para sempre
                                    em ondas constelares


                                    morte perfumada em cada gozo
                                    a ser revivido logo


                                    vigor de termos
                                    sido amados
                                    num lapso de tempo


                                    dobra incontida
                                    que retorna
                                    torna
                                    e nos faz
                                    eternamente
                                    Elipses noturnas.


                                    (o tempo é o que fazemos
                                    a cada suspiro de nós)

domingo, 15 de dezembro de 2019

Pedindo permissão

Por Oswaldo Antônio Begiato




Com o perdão
da palavra
arrisquei-me em um poema
cheio de travessuras,
de confissões de amor,
de saudades,
de ternuras...


Ganhei um olhar longínquo
de uma menina doce
que mora à beira do rio
e nas costas do mar,
e como peixe silente
navegou minhas ilhas
e me fez arquipélago
inimaginável.

sábado, 14 de dezembro de 2019

Fonte

Por Meriam Lazaro




Salto
o tempo
e a lira.
Pescador,
volto
ao ventre.
Salvo
as baleias
de Jonas.
Guardo,
do oceano,
a gota.
Quero
rebentação
de luz,
banho
de criança
e melodia
gentil.
Depois,
regar
madressilvas,
voar
querubins
e alegrias
azuis.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Quadrilha natalina

Por Mayanna Velame




José amava Maria.
Ela amava a Jesus.
Ele amava a Deus.
E Deus amava a humanidade.
Já a humanidade, a quem amaria?

quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Doce mistério

Por Nana Yamada




Dentre todos os sabores
O seu é mais exótico
Não há como transcrever
O aroma desse sentimento
O rumo desse pensamento
Que se espalha por mim
Causador de meus risos à toa
Sentimento tão leve como vento
Que me faz flutuar todas as noites
Me envolvendo em nossas
Partilhas diárias
Mais que uma rotina
Já uma parte
Esse doce mistério
Que me encanta
Todas as vezes que você
Está em mim

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Suspeito de quê?

Por Fabio Ramos




como veio da rua


deitou
na


cama


e
dormiu


(...)


nem trocou de roupa


nem banho
tomou


(...)


durante


o
sono
intranquilo


ele
balbucia:


TESOURO TESOURO


(...)


sua
mulher


como


toda
mulher


testemunha a ocorrência


(...)


antes
do
beijo


e do BOM DIA


da
esposa


(quando despertou)


veio
uma


TIJOLADA


no
peito:


o
que
significa


TESOURO? TESOURO?


(...)


e
ele


tão assim


não
tinha


a menor ideia

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

2019

Por Denise Fernandes




Esse ano de 2019

foi pra lá de arretado

teve tragédia e comédia

dificuldade e bênção

cansaço e solução

ano bem agitado

deixou o mundo cansado

com muito mais poluição

todos vendo a destruição

de árvores e animais

mesmo assim a alegria

permanece como criança

e chove esperança

que 2020 seja construção

amor, fé e repetição

de abraços e poesias.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

aceite

Por Ana Paula Perissé




                                          daqui
                                          a 1 instante
                                          eterno


                                          escreverei símbolos


                                          quando meu
                                          amor
                                          banhar-te
                                          por
                                          inteiro


                                          (deixa-me apenas
                                          sermos.)


                                          e juntos
                                          fluidos & afectos
                                          memórias
                                          nos embalando
                                          em ritmo de lua
                                          verde


                                          aceite pois
                                          minha entrega
                                          de mulher que te aceita
                                          como tentamos ser


                                          mundanos
                                          perdidos
                                          paridos
                                          em névoa
                                          celeste


                                          mas órfãos de deuses
                                          em conjunção:


                                          aqui.

domingo, 8 de dezembro de 2019

Angústia

Por Oswaldo Antônio Begiato




(Para Niquinho, amigo de boteco)


Jaz aqui minh'alma desconsolada
Cujo corpo frágil partiu-se em muitos,
Cujo corpo partiu-se para sempre.
Jazo eu aqui, sem corpo e sem alma.


No contundente silêncio da morte
Jazem insepultos os pensamentos,
As flores semeadas pelo vento
E os vermes espertos comendo a carne.


No momento preciso foi-se a vida,
Carregando dentro dela os sonhos,
As esperanças bobas e as angústias.
Foi-se após um longo tempo de dor.


Sofrimento, deixai a morte em paz!

sábado, 7 de dezembro de 2019

Acalanto

Por Meriam Lazaro


Imagem: Dimitra Milan


Velo teu sono
de prata,
homem cheiroso
de mar...
Em meio sorriso,
já despido do dia,
no futuro
ou no passado,
estás a sonhar.
Barba
por fazer,
acomodas a cabeça
em meu colo.
Acalanto a paixão
que nos cerca,
enquanto te
entregas
ao simples gesto
de esquecer
nuvens e aço.
Mas acordo,
esfrego os olhos e vejo
que quem sonhava
era eu,
longe de ti,
em vertigem...
Mulher passarinho,
sem asas para voar.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Uvas passas

Por Mayanna Velame




Degustou um
cálice de
vinho,
apreciou
um pedaço de
panetone.
Mas
quando
se tratou de
uvas passas, essas,
ele passou...

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Te adoro

Por Nana Yamada




Te adoro
A cada instante
Isso me basta
Todos os dias
Ter motivos
Para virar a página
A cada anoitecer
E recomeçar
A cada amanhecer
Ao seu lado
Mais um dia…


Te adoro
Todas as vezes
Que sua preocupação
O transforma
Numa pessoa tão única
Que me faz
Perceber
Os mínimos detalhes
Que eu jamais
Tinha visto,
Experimentado,
Vivido…


Te adoro
Por ser o que
Não consigo explicar
Por não conseguir
Descrever o que sinto
Faz de mim
Uma criança à toa
A rir de
Cada detalhe
Que só nós vivemos
Pois você é
Autor e arquiteto
Do que vivo…

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Tagarela

Por Fabio Ramos




não
sabe


da missa


nem
a metade


(porém quer ensinar)


o padre a
rezar


(...)


não sabe do peso


daquela
cruz


(porém quer condenar)


sem
medir


a si mesmo


(...)


padre
você
não é


(padrinho também não)


e muito
menos
padrão


APESAR DA AMBIÇÃO

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Coração

Por Denise Fernandes




Coração mutilado

Na vida arruinado

Mas também lotado

De dores cansado

De amores amado



Coração lua

Girando em torno

Coração saudade

Tecendo

Outro coração

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

do ofício de escrever

Por Ana Paula Perissé




                                      eu
                                      escrevo
                                      por um pouco
                                      de paz


                                      encontrar
                                      meus
                                      fantasmas


                                      ( e desfazê-los em)


                                      sombras
                                      adoráveis


                                      tocar minha alma
                                      com o perfume
                                      que me vem
                                      do cheiro


                                      do abismo
                                      das folhas caídas


                                      do ser
                                      humanizado
                                      que ainda canta
                                      sua história singular.


                                      ( eu escrevo para nada dizer)


                                      apenas para
                                      sentir-me
                                      digna


                                      de algumas vidas
                                      ainda mais.

domingo, 1 de dezembro de 2019

Ilhéus

Por Oswaldo Antônio Begiato




Pescadores de maré baixa, pescadores de maré alta!
Tragam em suas redes preciosas
O fio negro da crina do cavalo Branco de Napoleão,
A ponta de dois gumes da estrela cadente,
A varinha de condão da fada sininho,
A moeda de ouro do pote sob a extremidade do arco-íris
Porque o pôr do sol se fará belo como Cleópatra
E me farei por ti, Ilhéus, apaixonado como um transeunte desassossegado.


Mario Quintana, o gaúcho, que a essa hora se esbalda de céu,
E pouco caso faz do tempo
Deixando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas,
Adoraria a Bahia.
 Na Bahia o tempo não tem a menor importância
Porque o céu chegou primeiro aqui, e aqui se rimou todo.