domingo, 23 de fevereiro de 2020

Cuidado!

Por Oswaldo Antônio Begiato




Não queira
a loucura de um poeta
entender.


Aquilo que loucura
parece ser é
lucidez,
e é loucura
aquilo que lucidez
parece ser.


Loucura das brabas.

sábado, 22 de fevereiro de 2020

Pianíssima

Por Meriam Lazaro




Suave flutua
A renda da noite.
Macia, deixa o peito.
Insana, dança Gardel...


Suave é a sombra na rua,
Gato preto no papel...
Do vento segue a voragem,
Gira mundo sempre ao léu.


Altaneira ela flutua,
Com seu sorriso de mel...
Diáfana e vaga nuvem,
A renda da noite é o seu véu.


Macia, a lágrima sua,
Alegre e urbana babel,
Deixa o peito e faz viagem...
Mar revolto, escarcéu.


Insana e perpétua, a lua...
Pianíssima no céu,
De São Jorge dança a imagem
E um tango de Gardel.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

O vazio

Por Nana Yamada




Um pouco de ti
Restou em mim
Mesmo sendo tão invisível
Me sinto tão cheia
Do vazio que vem de ti

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Camufla

Por Fabio Ramos




dentro


(em algum lugar)


deve
existir


um coração


que
bate


entre ossos e pele


(...)


você não
beija
com


a boca dela:


você
beija


é com a sua


e
ainda
quer decidir
quem
a


boca
DELA
deve
beijar


(...)


do
sonho


do imaginário


pode
até


(se queixar)


mas
por
trás


da
tua


obsessão


um
pecado


A CONFESSAR

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Olhos

Por Denise Fernandes




Fecho meus olhos

Quero te esquecer

Mesmo sabendo

a dor de perder



Além das palavras

Não há solidão

Apenas o sol fazendo

a cor do saber



Se eu pudesse perdoar

Entender sua raiva

Faria um remendo

a flor do renascer



Mas só posso

ver o passado

dentro dos meus olhos

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

núpcias barrocas

Por Ana Paula Perissé




                                    quero-te
                                    em sussurros étnicos
                                    quase poéticos
                                    (já o são)
                                    como brisa de alhures


                                    Outro em mim
                                    vendaval de agonia
                                    pensamentos sensoriais
                                    teorização do sensível
                                    sussurrante
                                    estética do gesto
                                    do hálito
                                    verdejante olhar


                                    uma distância
                                    da quase incompreensão linguística
                                    que deixa rastros
                                    fragmentos
                                    do muito-não-dito
                                    perceptível em poros
                                    ou deslizes sutis
                                    de vagas
                                    em alucinação nocturna


                                    Babel adorável
                                    pois significantes em fôrmas
                                    desejantes
                                    ousam vontade
                                    de um encontro de passagens


                                    cheiro e aromas
                                    de paragens à beira da vertigem
                                    da diferença
                                    suave e tênue
                                    de ardor.


                                    (o embalo do distante
                                    acalenta minhas dúvidas
                                    em colo de núpcias barrocas)

domingo, 16 de fevereiro de 2020

Paragem apenas

Por Oswaldo Antônio Begiato




Não faço parte
da paisagem,
faço parte
da passagem.


Sou penugem,
sou asas,
não tenho casa,
não tenho causa.


Ando por aí,
andarilhando pensamentos,
ladrilhando caminhos...


Não me permito falsidade.
Ser feliz não me é prioridade.


Quero a liberdade
que somente a verdade
e a tristeza
me concedem.

sábado, 15 de fevereiro de 2020

Canora

Por Meriam Lazaro




Sigo o caminho do vento...
Corro em nuvens de algodão.
Azuis, viagem e sentimentos,
Sobre a cabeça, a imensidão.


Vejo, da eternidade, o momento,
Desenho nas linhas das mãos.
Voraz, marca e sofrimento,
Traçado em velha constelação.


Toco o paraíso e o relento,
Ferida em véu de ilusão.
Veloz, em meus pensamentos,
Sob os pés, poeira e avião.


Canto, da graúna, o tempo...
Pintura em tela de devastação.
Atroz, persigo arrependimentos.
Da ave canora, voo a solidão.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

Dois em um

Por Nana Yamada




Tantas vezes tentei te deixar na sombra das lembranças
E continuar a seguir essa estrada sem você
Mas nunca soube desconectar essa linha
Direta que sai da minha alma
Não sei lidar com esse sentimento tão indomável
Mais que um tufão, mais que um terremoto
Mais que qualquer coisa que não se explica
Será o destino a testar
Tendo nosso caso como exemplo
Para aqueles que nunca desistiram
Porque sempre acreditaram que
Quando há uma conexão inexplicável
Quando o tempo não leva
Quando o amor sobrevive a toda barreira
Estamos prontos, mais uma vez,
Para reviver aquilo que não vivemos
Viver tudo aquilo que sonhamos Ser dois em um…

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Jumento

Por Fabio Ramos




botou a carne para
bronzear
na


(churrasqueira)


no
fim
de semana


e
chamou


OS MAIS CHEGADOS


(...)


a fumaça da
grelha


que
não
conhece


(jurisdição ou fronteira)


perpassa o
muro
e


invade a casa


do
vizinho
(vegetariano)


(...)


o natureba


com
seu


aspecto


de
anemia


ENGULHA E VOMITA


e
no
auge


(daquela agonia)


sobe
no


muro


e
grita:


SEU ASSASSINO!


(...)


diante
da
cena


o carnívoro retrucou:


não
gostou?


(vai comer capim)

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Deixem seus maridos serem homens

Por Maurício Perez



Namorados, noivos, maridos e pais estão com uma nova agenda: em uma sequência de sábados, precisam comparecer a um chá de panela, chá de fraldas, festinha de aniversário de criança de 2 anos, reunião no colégio, ir às compras no shopping center etc. Todos esses eventos são marcadamente femininos ou infantis. Está difícil para um homem poder exercer sua masculinidade.


Ser masculino não é ser grosseiro, sujo, fedorento, e nem precisa cair na baixaria. Mas, por outro lado, um homem não costuma se sentir bem numa festinha de criança  onde as mulheres conversam sobre o cabelinho da filha e um animador de buffet distrai a molecada com bobeiras insuportáveis. Olhe para a cara dos homens ali presentes. Veja o desconforto e como escapam para um canto, onde conversam sobre futebol, crise econômica e até literatura (aos goles de uma cerveja).


Eles passaram a ajudar em uma série de atividades domésticas: lavar louça, cozinhar, pegar os filhos na escola... Ótimo. Justo. Mas se juntamos a isso a tendência feminina de controlar tudo e todos, temos, agora, um homem que não consegue se desvencilhar. Dou alguns exemplos, que variam na medida do gosto e do perfil de cada um: jogar futebol sábado de manhã, surfar com os amigos, ir para a garagem e usar suas ferramentas, andar de moto com a turma, fumar um charuto e apreciar um uísque, pilotar um drone, curtir seus vinis etc. Como sabemos, a diferença entre um homem e um garoto é o preço de seus brinquedos. Sim, eles não são maduros como as mulheres. Faz parte da natureza deles. Essas ocasiões também constituem um verdadeiro aprendizado para a masculinidade.


São espaços sagrados e o homem volta com a energia renovada  pronto para lavar a louça e discutir a relação. Tire isso dele e, um dia, a coisa pode explodir: ele vai procurar uma válvula de escape (e pode ser de um jeito ruim). Ele pode se cansar, jogar tudo para o alto, se separar da família e querer fazer outra coisa da vida.


Os homens não pedem para a mulher deixar de ir ao cabeleireiro, ou de fazer as unhas na manicure. Também não pedem para ir junto com elas. Portanto, mulheres, controlem o ciúme e o impulso de mandar. Não proíbam o futebol semanal, não queiram se meter com a turma dele e não o convidem para um chá de panela. Deixem seus homens serem homens. Eles vão agradecer.

É autor do blog Correio Chegou.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

lost in translation

Por Ana Paula Perissé




                                      Perder-se enquanto os outros
                                      vivem
                                      ou se acham
                                      quase inteiros


                                      quero perder-me
                                      por um pouco de vida
                                      em fragmentos
                                      transitar-me
                                      passar
                                      fricções com doses de afectos
                                      mutantes
                                      díspares
                                      sem sentido.


                                      quero perder-me
                                      na tentativa
                                      de traduzir a sombra
                                      do mundo
                                      esquecida
                                      diante do espelho ancestral
                                      de sermos apenas
                                      nós



                                      as velas
                                      se apagam
                                      e o candelabro
                                      ilumina


                                      no
                                      escuro
                                      (vestes nuas)

domingo, 9 de fevereiro de 2020

sábado, 8 de fevereiro de 2020

As janeiras

Por Meriam Lazaro




Inda ouço as janeiras,
As estrelas e os balões;
Dos magos, as brincadeiras,
O andar das procissões.


Belas flores trepadeiras
Vejo acenar nos rincões,
Suaves manhãs primeiras,
Flautas e caramanchões.


Sem relógio na algibeira
Com poemas bonachões,
Ao léu, sem eira nem beira,
Invadindo os corações.


Amores pra vida inteira,
Carruagens e paixões,
Ou ilusões passageiras,
Platônicas solidões.


Saudações tão verdadeiras,
Abraçando as estações,
Inda ouço as janeiras
Sorvendo as recordações.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Em todos os meus sonhos

Por Nana Yamada




Em todos os meus sonhos
Sempre acreditei que você era real
Sempre acreditei naquilo que eu sentia
Tão de repente estava tão presente
Na minha realidade que eu desconhecia


Em todos os meus sonhos
Você era a certeza mais absoluta
Entre todos outros sonhos passageiros
Você veio tão à tona, me enchendo de você
Nas mais profundas que eu alcancei


Em todos os meus sonhos
Te chamo de sonho meu
Amor que eu sempre busquei
Sentimento que eu sempre senti
Tudo se resume em você


Em todos os meus sonhos
Você sempre teve seu lugar
Mantendo-se lá todo o tempo
Sendo você meu único motivo
Que me fez acreditar nessa escolha

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

Vida que segue

Por Fabio Ramos




quando e se houver


uma outra
vez


na frente


será
por


(acaso)


e
não


planejado


(...)


e
se
houver


camadas de frieza


deixa
estar


(assim foi ontem)


e deverá
ser
APÓS:


como as águas do rio


em pleno
curso

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Artrose

Por Denise Fernandes




A médica estranhou eu não sentir dor sempre. Só sinto dor depois de determinados exercícios físicos. Nessas ocasiões, o joelho dói uma dor doída, fina, lá dentro, bem no meio do joelho. Não dá vontade nenhuma de sentir essa dor.

A doutora disse que eu estava com artrose. O que significa que a cartilagem dos meus joelhos foram consumidas. Achei que perdia o meu tempo, mas estava perdendo mesmo era a cartilagem. O tempo nunca foi meu, para que eu pudesse ganhá-lo ou perdê-lo. Tudo o que tenho são células, cartilagens, ossos e sangue.

O Tempo sempre me teve em suas mãos: o Tempo me criou, me educou. Me deu os mais importantes limites, como um bom pai faz com uma filha. O Tempo me gerou. O Tempo me disse pra ser forte (mesmo sabendo que sou fraca). O Tempo construiu essa artrose pra mim, da mesma forma que meu pai me ensinou a colocar a pipa no alto. Será que eu ainda sei pôr uma pipa lá no alto? A impressão que tenho, quando a médica diz que tenho artrose, é que perdi mais que cartilagens ao longo do caminho. Perdi um bom tanto da minha ingenuidade, e uma quantia razoável da minha esperança.

Fiquei mais realista, com o Tempo me acalentando para um futuro que não ousa chegar.

Parece também que ando mais calada, embora eu ainda fale demais. É que, agora, sinto um cansaço das palavras. Sinto um cansaço de tudo o que lembra meu envelhecimento. Prefiro a música do meu tempo, pois parece que esse tempo atual não é mais o meu (eu que sou do Tempo). Como a relação de pai e filha, que se aprofunda ao longo dos anos, tenho me aprofundado em ser eu mesma  e também em não ser mais a mesma.

O Tempo come a tinta do meu cabelo, porque também me acaricia, e me apresenta todos os perigos: os que eu conheço, os que imagino, os que me contam a história da humanidade.

Às vezes, tropeço sem razão nenhuma, e parece que ainda estou aprendendo a andar. Posso rir de mim mesma. Parece que faz pouco tempo que aprendi a amar a minha parte mais idiota. Mas não faz pouco tempo. É que o Tempo se modificou com o amor.

De alguma forma, a artrose me ajuda a me amar um pouco mais.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

falésias

Por Ana Paula Perissé




                                      são múltiplas as pontes
                                      que me atravessam
                                      ou travessias que me desejam


                                      como náufraga
                                      em falésias
                                      escarpadas


                                      onde o mar bate
                                      para as ondas sequestrarem
                                      sereias perdidas de si


                                      cantos
                                      silenciosos
                                      encantam à beira de mim


                                      são tantos
                                      dodecafônicos
                                      em suaves harmonias


                                      que
                                      bêbada
                                      (de Malbeq)


                                      sou-me
                                      sempre
                                      pra ti.